Foi publicado em Diário da República esta semana que a Indicação Geográfica (IG) Transmontano foi alargada aos vinhos espumantes e frisantes, a novas castas, e passou a incluir a vinificação em lagares rupestres como um método tradicional de produção da região.

Com a portaria n.º 222/2020 publicada na passada quarta-feira, dia 23, em DR, o Ministério da Agricultura revoga a portaria n.º 1203/2006, de 09 de novembro, e define o regime de produção e comércio dos vinhos e demais produtos vitivinícolas da IG Transmontano.

É à Comissão Vitivinícola Regional de Trás-os-Montes (CVRTM), sedeada em Valpaços, que cabe as funções de controlo da produção e do comércio, de promoção, defesa e certificação dos vinhos da região.

A nova portaria refere que a Indicação Geográfica Transmontano passa a incluir vinho branco, tinto e rosado, vinho espumante branco, tinto e rosado e vinho frisante branco, tinto e rosado, ou seja, foram introduzidas novas castas aptas à produção de vinhos, “permitindo maior versatilidade dos vinhos da região”.

Reconhece-se, também, a vinificação em lagares rupestres como um método tradicional de produção da região, que deve “seguir os métodos de vinificação tradicionais e as práticas e tratamentos enológicos legalmente autorizados, incluindo-se nos métodos tradicionais a vinificação em lagares rupestres”, cujos vinhos assumem a designação de “vinho de lagar rupestre”, desde que produzidos em conformidade com o disposto em regulamento próprio emitido pela entidade certificadora.

Recorde-se que a 3 de Novembro 2018 foi criada, em Valpaços, a Associação Portuguesa Lagares Rupestres, em parceria com o município de Valpaços, a AVITRA e a CVRTM, depois de organizado em 2017 o I Simpósio Ibérico de Lagares Rupestres e várias outras iniciativas levadas a cabo para a divulgação e valorização dos Lagares Rupestres no concelho, que concentra o maior número de exemplares de toda a Península Ibérica.

Na portaria é ainda efetuada a atualização da delimitação da área de produção à reorganização administrativa do território das freguesias operada pela Lei n.º 11-A/2013, de 28 de janeiro, abrangendo municípios dos distritos de Bragança e Vila Real.

loading...
Share.

Comentarios fechados.