A UGT de Vila Real reforçou o seu papel sindical com a inauguração de uma delegação na cidade flaviense. A união distrital pretende descentralizar a sua atividade e promover a proximidade junto dos trabalhadores do concelho.

Foi com casa cheia que a União Geral de Trabalhadores (UGT) de Vila Real inaugurou no Centro Comercial Valadim, em Chaves, uma nova delegação. Esta faz parte do programa de descentralização da união sindical que pretende alargar a sua atividade aos 14 concelhos do distrito transmontano.

“Hoje foi o pontapé de saída na descentralização. A muito curto prazo iremos ter novas iniciativas noutros pontos do distrito de Vila Real”, disse Nataniel Araújo, presidente da UGT de Vila Real, na quinta-feira passada, dia 28 de fevereiro.

Para o responsável é necessário estar junto das pessoas para perceber as suas expectativas e poder assim “passar das palavras aos atos”.

A comandar os destinos da união distrital há um ano, Nataniel Araújo considera que foi um ano “muito intenso”, com várias atividades desenvolvidas no território, onde se contam a realização de duas grandes conferências, diversas formações e a abertura de dois cursos de longa duração a funcionar em Chaves e também em Vila Real. Para além disso, a UGT de Vila Real reuniu com diferentes sindicatos, representantes de empresas e de instituições públicas.

Secretário Geral da UGT quer mais medidas para fixação de empresas no interior

Presente na inauguração, o secretário geral da UGT, Carlos Silva, mostrou-se satisfeito com a inauguração da delegação em Chaves, uma mais-valia para a cidade e também para demonstrar que é possível empresas e organismos públicos apostarem no interior. Para isso, defende o responsável, é necessário que o Governo trabalhe em parceria com o poder local para que possam garantir um futuro mais risonho para o interior do país. Neste sentido, atrair investimento para a região, fixar empresas, criar benefícios fiscais e descriminar positivamente nos acessos às autoestradas são as palavras de ordem para voltar a dar vida ao interior de Portugal que nos últimos 40 anos foi deixado ao abandono e ao esquecimento.

Em dia de inauguração, Hugo Silva, presidente da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, destacou a importância da instalação da delegação da UGT na cidade de Chaves, e sobretudo na freguesia que dirige.

Hugo Silva acredita que se trata de uma excelente iniciativa em prol dos interesses dos flavienses e que deveria ser replicada em outras matérias de interesse para o interior, e nomeadamente para o concelho.

A Junta de Freguesia de Santa Maria Maior contribuiu, segundo o responsável, com toda a logística e também na divulgação das principais necessidades dos trabalhadores flavienses.

“É esse o nosso papel. Criar condições para que este tipo de organizações possa vir para Chaves e que defendam os interesses dos trabalhadores, a nossa cidade, a nossa freguesia e que não nos deixem esquecidos no mapa, que tragam ministros, secretários de estado para que conheçam a nossa realidade e as nossas dificuldades, para que Chaves possa progredir e evoluir”.

No encontro estiveram presentes vários convidados, entre eles, o Delegado Regional do IEFP, António Leite, o vice-presidente da autarquia, Francisco Melo, e a diretora do Centro de Emprego e Formação Profissional do Alto Tâmega, Gisela Espírito Santo.

Cátia Portela

loading...
Share.

Deixe Comentário