O presidente da Câmara de Chaves exigiu hoje em reunião de Proteção Civil municipal a testagem a utentes e funcionários em todos os lares do concelho.

“Uma das exigências que fizemos na reunião foi que todos os lares fossem testados, todos os utentes e trabalhadores. Não pode ser apenas em situações que haja suspeita, dado o nível elevado de casos confirmados [no concelho]”, revelou Nuno Vaz.

O autarca de Chaves, falava após uma reunião extraordinária da Comissão de Proteção Civil municipal, que juntou as autoridades de saúde, forças de segurança e IPSS do concelho.

Nuno Vaz acrescentou que após a reunião ficou “o compromisso que entre a segurança social e a autoridade de saúde se procurasse dar uma resposta [para a realização dos rastreios], assumindo a Câmara o compromisso de dar um contributo para que isso aconteça caso necessário”.

O autarca flaviense, que apontou para a existência de quase mil idosos em lares e 500 trabalhadores no setor naquele concelho que tem “uma população envelhecida”, revelou ainda que nos lares de idosos onde já foram realizados testes há “uma taxa elevada de casos confirmados”.

“Dizem-nos que são assintomáticos, e que em termos de saúde a preocupação não é critica”, acrescentou, defendendo, no entanto, os rastreios totais para poder existir “uma ação proativa de controlo dos contágios”.

Sem adiantar o número de casos de covid-19 em lares ou escolas do concelho, Nuno Vaz sublinhou que não tem acesso à “informação detalhada”.

“Não sei quais são as escolas que têm surtos ou os lares. Só tenho números de casos confirmados de covid-19 e o número de pessoas em isolamento. Esta é uma divergência manifestada relativamente à autoridade de saúde, entendemos que as autarquias e as comissões de proteção civil municipais deviam ter acesso a mais informação para que a ação e a proatividade pudesse acontecer”, vincou.

“Na pratica somos meros observadores e só teremos intervenção numa situação critica caso seja necessário acionar os recursos existentes. Na gestão da pandemia, o presidente da Câmara é tipo a rainha de Inglaterra, parece que gere e não gere, que coordena e não coordena”, acrescentou.

Segundo o boletim epidemiológico da Unidade de Saúde Pública do Alto Tâmega e Barroso de quarta-feira, o concelho de Chaves registava 474 casos na fase ativa da doença, 120 em isolamento e uma ‘taxa de ataque’ de 1347,1 casos por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias.

Em 01 de novembro, segundo a mesma fonte, o concelho de Chaves, com cerca de 41 mil habitantes, registava 73 casos em fase ativa da doença.

Partilhar

Comentários | Seja educado na sua opinião