Cafés, restaurantes e hotel unidos no pedido à autarquia para cortar trânsito automóvel na Alameda do Tabolado. Objetivo é o aumento das esplanadas em segurança. Empresários veem hipótese como uma experiência para uma solução futura naquela zona.

Os comerciantes da Alameda do Tabolado, na zona das Caldas, fizeram um pedido à Câmara de Chaves para um corte de trânsito naquela rua, de forma a poder aumentar a esplanada e dar um novo visual à zona, aproveitando melhor o jardim do Tabolado.

Devido à pandemia de covid-19, a lotação das esplanadas dos estabelecimentos comerciais como cafés e restaurantes teve de ser reduzida.

Como forma de apoio à economia local, a autarquia flaviense lançou um despacho que permite de forma excecional o aumento extraordinário e temporário de esplanadas.

Assim, os 12 comerciantes da Alameda do Tabolado juntaram-se num pedido que, além do aumento de esplanada para os lugares de estacionamento, pede o corte de trânsito.

“Colocámos várias hipóteses no requerimento que efetuámos. Colocámos a hipótese de retirar o estacionamento, mas achamos, que por uma questão de segurança, não faz sentido ter mesas a ocupar esses lugares e haver trânsito automóvel”, explica Filipe Paiva.

O empresário flaviense, proprietário do Sky Bar, tem liderado o pedido de toda a rua para encontrar uma solução e que aguarda uma resposta do município.

Filipe Paiva realça que todos os comércios da rua, que junta cafés, restaurantes e até um hotel, entenderam que o corte de trânsito automóvel é a melhor solução.

“Irá permitir ter mais mesas, respeitar o distanciamento e transmitir segurança aos clientes”, assinala.

Uma solução a ponderar no futuro

Mas o pedido, que surge na sequência dos constrangimentos causados pela covid-19, pode ser mesmo uma experiência para uma solução futura.

“Temos o exemplo da festa dos povos romanos, que já levou ao corte desta rua e correu bastante bem, com as pessoas a andarem à vontade sem trânsito”, lembra.

Filipe Paiva considera que pode ser uma boa experiência no verão a rua estar fechada ao trânsito automóvel, para “a Câmara fazer um balanço e no futuro perceber o que é melhor”.

“Em termos de estética, quem está na esplanada só vê carros atualmente, e assim poderá ver o jardim. Em termos de segurança, será mais seguro para os pais levarem os filhos sabendo que não há carros a passar”, apontou.

Em cima da mesa pode estar também, no futuro, e quando a pandemia o permitir, a realização de festas conjuntas naquela alameda, a “horas que ganhassem os restaurantes e depois os cafés”.

Para todos os comerciantes daquela zona, a Alameda do Tabolado é uma das portas do turismo da cidade, junto às Termas de Chaves, ao rio Tâmega e com um jardim à frente dos estabelecimentos.
Pedido está em análise na Câmara de Chaves

À Voz de Chaves, a Câmara de Chaves explicou que o pedido dos comerciantes da Alameda do Tabolado está em análise pelos serviços técnicos.

Na análise prendem-se fatores como: “a circulação do trânsito automóvel com essa artéria fechada”, “a nível de estacionamento, o que implica para os moradores daquela zona” e a “análise do ruído em função do alargamento das esplanadas que pode causar para a zona habitacional”.

A autarquia flaviense explicou ainda que a decisão poderá estar pronta ainda esta semana, ou no início da próxima semana.

loading...
Share.

1 comentário

  1. Apenas mais um on

    Claro que sim,quantos shopings no mundo estão a funcionar ou com fácil acesso para ir ao local ‘ que é dizer as caldas já perderam sabe se lá quantos estacionamentos e ainda perder mais acham que vai ser solução … chaves é una cidade sem solução para o comércio e tradicional principalmente desde o aparecimento dos retails que aparentemente é a única prioridade de comércio o resto apenas está ao abandono, a solução é boa mas numa altura errada onde se perdeu imenso na hipótese de estacionar no centro

Deixe Comentário