O presidente da Câmara Municipal de Vila Pouca de Aguiar, Alberto Machado e a conselheira de Cultura e Turismo da Junta de Castilla Y León, Maria Josefa Cirac, que preside à Fundação Las Médulas, rubricaram a 4 de dezembro em Carucedo um protocolo de ações comuns nos territórios mineiros romanos de Tresminas, Portugal e Las Médulas, Espanha. O acordo vigora durante cinco anos, podendo ser prorrogado. 

Alberto Machado referiu que o acordo serve para olhar o património como uma oportunidade e temos um compromisso elevadíssimo com as pessoas para o desenvolvimento local; o plano estratégico de Tresminas passa por um trabalho conjunto com Las Médulas na valorização patrimonial e natural; a união faz a força.

Maria Josefa Cirac assinalou a comemoração dos 20 anos de Las Médulas como Património Mundial e sublinhou a importância de uma colaboração intensa entre Las Médulas e Tresminas nos últimos anos evidenciada no acordo transfronteiriço agora assinado.

Este projeto cultural comum permite, desde logo, a internacionalização dos respetivos territórios e encurtar distâncias com atividades conjuntas de valorização do legado romano na Península Ibérica, tais como aprofundar a investigação, a comunicação, a formação de guias e a promoção de ações socioculturais.

A título de exemplos, no âmbito escolar, foi já criado um jogo para crianças com os respetivos patrimónios mineiros. E na cultura, há uma permuta de exposições nos respetivos espaços arqueológicos que se prolongará em 2018 (Ano Europeu do Património Cultural).

Las Medulas é Património Mundial desde 4 de dezembro de 1997 e há o propósito de alargar o Complexo Mineiro Romano de Tresminas à respetiva classificação pela UNESCO, na categoria de Paisagem Cultural.

Ainda que com diferentes sistemas de exploração aurífera, estes territórios mineiros localizados no noroeste peninsular tinham o mesmo propósito, o de cunhagem de moeda que servia o Império Romano. Nesta cerimónia que assinala o futuro comum que está a ser trilhado nestes territórios que distam 200 km entre si, estiveram autarcas, arqueólogos, técnicos especialistas e responsáveis socioculturais que testemunharam a convergência transfronteiriça.

Redação/CM Vila Pouca de Aguiar

Share.

Deixe Comentário