O município de Chaves está empenhado na luta biológica contra a vespa das galhas do castanheiro. Na passada segunda-feira, dia 4, foi realizada uma largada do parasitóide “Torymus Sinensis” na localidade de Argemil.

A vespa das galhas do castanheiro trata-se de um pequeno inseto que deposita os ovos nos gomos dos ramos dos castanheiros, levando à deformação de novos rebentos, resultando numa quebra acentuada da produção de castanha, tendo a praga aparecido na região de Trás-os-Montes em finais do ano de 2015.
Os municípios mais afetados têm realizado largadas de parasitóides vindos de Itália de forma a combater esta praga. Uma destas largadas foi realizada na passada segunda-feira pelo município de Chaves na localidade de Argemil.
O parasitóide “Torymus Sinensis” alimenta-se das larvas presentes nas galhas, contudo, este inseto irá controlar a praga e minimizar os seus efeitos negativos nos castanheiros, e não extingui-la. “Leva três a quatro anos a estabilizar, e depois teremos de estar habituados a conviver com ela. Hão de haver picos da praga e picos do parasitóide. Vai haver uma associação entre os dois, e aí sim estabilizar”, referiu o engenheiro Sílvio Sevivas, do gabinete técnico florestal da Câmara Municipal de Chaves.
As largadas deste parasitóide são ações desenvolvidas pelos municípios em conjunto com a Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte e a RefCast – Associação Portuguesa da Castanha. Nuno Vaz, presidente da Câmara Municipal de Chaves, esteve presente na largada em Argemil: “A Câmara associou-se a este movimento no sentido de poder fazer um conjunto de largadas de larvas para tentar minimizar e conter o efeito da vespa do castanheiro, que, como nós sabemos, é uma praga que neste momento está a ganhar uma dimensão muito significativa também no nosso concelho, porque também o concelho de Chaves tem ganhado uma relevância maior no que diz respeito à área abrangida pelos castanheiros”.
Numa fase inicial de experimentação destas largadas, os custos associados ao combate a esta praga eram assumidos pelo Ministério da Agricultura. Contudo, quando se percebeu que não seria possível continuar com este financiamento os municípios foram envolvidos. O custo de cada largada é de 200 euros mais IVA. No caso concreto do concelho de Chaves, no qual estão a ser realizadas 23 largadas do parasitóide, são cerca de 4 mil euros assumidos na totalidade pelo município flaviense.

Maura Teixeira

loading...
Share.

Deixe Comentário