Neve foi a grande novidade em mais uma lotação esgotada no circuito da vila barrosã. Nova bancada será novidade para a próxima edição, em 2019. Campeão em título Kristofferson foi o grande vencedor, à frente de Loeb e Solberg.

Nem o sol e o bom tempo, nem o frio e a neve. Nada afastou os amantes do automobilismo do barroso, que mais uma vez acolheu uma etapa do mundial e concentrou alguns dos melhores pilotos do mundo.
No sábado, o bom tempo imperou no Circuito Internacional de Montalegre. Já com a casa bem composta, portugueses e galegos começaram a fazer a festa do ralicross. Muitos acamparam, outros encheram as unidades hoteleiras da região, mas todos vibraram com as primeiras qualificações da segunda etapa do mundial.
Conforme os nomes sonantes, como Loeb ou Solberg, se aproximavam para correr, as bancadas ganhavam colorido. Depois, muitos corriam para o ‘paddock’ para assistir aos trabalhos dos mecânicos, ou para conviver com os pilotos.
O dia de domingo teve a verdadeira surpresa. Quando parecia que a meteorologia ia manter-se ‘amigável’, a meio da segunda meia-final, um forte nevão pintou o circuito a branco. Com a casa lotada, a maioria manteve-se para assistir às corridas decisivas.
“Foi mais uma jornada de afirmação da nossa mobilização, da nossa capacidade de organização e da adesão a esta grande prova. Todos os anos vamos marcando uma posição honrosa. Até a circunstância de termos sido atacados pela chuva, neve e frio acabou por ser uma singularidade muito específica e marcante de Montalegre”, destacou o presidente da Câmara Municipal de Montalegre, Orlando Alves.
Para o edil do município barrosão, “em termos competitivos a prova esteve muito boa. Estamos com raízes profundamente ligadas a esta competição. Foi bom recebermos o senhor Secretário de Estado do Desporto. Terminou com muita animação e muito êxito. Expresso o meu agradecimento a todos os que aqui trabalharam”.

Nova bancada será novidade de 2019

Ainda nem tinha terminado a etapa de 2018 e já os responsáveis do Mundial de Ralicross em Portugal estavam já a anunciar as novidades para o próximo ano, com mais uma bancada a nascer no circuito internacional, que resultará em mais 3 mil lugares.
O vice-presidente da Câmara Municipal de Montalegre, David Teixeira, adiantou também que irá ainda ser aumentado o ‘paddock’, criado um posto médico e melhorado os acessos quer à pista, quer à vila de Trás-os-Montes, no distrito de Vila Real.
O objetivo é dar mais e melhores condições aos visitantes, assim como criar mais espaços para que mais pessoas possam assistir à competição, afirmou. O investimento nestas melhorias, à semelhança deste ano, deverá rondar os 300 mil euros, revelou.
O vice-presidente contou que o circuito teve lotação esgotada com 27.000 pessoas, havendo mesmo pessoas que já não conseguiram entrar. Este evento, cujo Montalegre assegurou até 2022, é importante para a sustentabilidade e dinamização económica do território, entendeu.
Acompanhado pelo executivo municipal e por alguns autarcas da região, João Paulo Rebelo, Secretário de Estado da Juventude e do Desporto, esteve no último dia da prova do Campeonato do Mundo de Ralicross a presidir à cerimónia de entrega de prémios.
O membro do Governo não disfarçou a satisfação pelo impacto que representa o Circuito Internacional de Montalegre. Antes da sessão protocolar, visitou todo o complexo desportivo.

Kristofferson venceu e consolidou a liderança

O campeão do mundo em título Johan Kristofferson, ao volante de um Wolkswagen Polo R, venceu a corrida final da segunda etapa do Mundial de Ralicross, em Montalegre, mantendo a liderança do campeonato com 53 pontos.
Depois de conquistar a etapa inaugural, realizada em Barcelona, o sueco voltou a dominar, agora em terras portuguesas, depois de um primeiro dia discreto, no qual foi terceiro e sexto nas primeiras duas qualificativas.
No dia decisivo, marcado pela queda de neve, o piloto foi segundo e quarto nas duas últimas mangas de qualificação, batendo a concorrência na primeira meia-final e na corrida decisiva.
Na final, os campeões do mundo de ralis Sébastien Loeb (Peugeot 208) e Peter Solberg (Wolkswagen Polo R) estiveram sempre em luta, enquanto Johan Kristofferson esteve sempre na liderança, realizando a ‘jocker lap´ na última volta, controlando a vantagem ganha até então.
Loeb, o nove vezes campeão do mundo de ralis, que terminou o primeiro dia na frente, conseguiu o segundo lugar, ocupando agora a quarta posição do campeonato com 39 pontos, 25 dos quais somados hoje.
O lugar mais baixo do pódio foi ocupado por Peter Solberg, bicampeão do mundo de ralicross em 2014 e 2015, descendo do segundo para o terceiro lugar no campeonato com 43 pontos.

Diogo Caldas

loading...
Share.

Deixe Comentário