Com 21 anos, Sofia Porfírio está a ganhar nome no panorama nacional de enduro e trial. Esta temporada conquistou o 3º lugar no nacional de enduro, na classe feminina, e ocupa o 2º lugar no nacional de trial outdoor, na categoria consagrados, a uma etapa do fim, tendo já representado Portugal no Trial das Nações este ano. Natural de Atilhó, do concelho de Boticas, a estudante universitária no Instituto Superior de Engenharia do Porto não esquece as suas origens e sonha chegar cada vez mais alto nas modalidades em que compete.

A Voz de Chaves: De onde surgiu a paixão pelas duas rodas?
Sofia Porfírio: Surgiu desde muito nova, desde que me lembro que existo. Sempre que via o meu pai a passear por Atilhó de mota, queria ir sempre com ele. Aos 8 anos fez me uma surpresa com uma QW50 para lhe fazer companhia nos passeios.

Daí até competir, como se deu a evolução?
Daí evolui para uma XR70 e só passados 3 a 4 anos é que passei para uma mota de trial na qual comecei a competir, Gasgas125, em 2009.

Qual a modalidade que gostas mais, trial ou enduro?
Enduro, tem-se muito mais adrenalina.

É fácil conciliar os estudos com os treinos e provas?
É um pouco difícil, mas consegue-se fazer tudo se for tudo muito bem organizado.

Quantas horas são precisas por dia. É fácil encontrar espaços para treinar…
Durante a semana, em tempo de aulas, andar de mota é raro, só quando tenho uma tarde ou dia livre. Nos fins-de-semana tento aproveitar todos ao máximo para andar de mota. Não é difícil encontrar espaço para se treinar, é tudo relativamente perto de casa, as pistas e os montes…

É uma modalidade que exige muitos apoios. É fácil encontrar?
Sim, é uma modalidade que exige muitos gastos… O enduro é um desporto caro, e quando se quer muito tem que se ir atrás de apoios para fazermos o que mais gostamos. É um pouco difícil de encontrar apoios porque nem toda a gente está disposta a ajudar, mas a ajuda de toda gente é especial até porque existe sempre um retorno muito grande e no final de tudo isto também é um trabalho.

Como analisas a modalidade em Portugal?
Está cada vez a crescer mais, principalmente nas classes femininas tanto no enduro como no trial. Cada ano há mais raparigas a entrarem para a modalidade o que é bom. Demonstra que as motas não são só para homens.

Como correu esta temporada?
Correu bem, apesar de ter tido muitos altos e baixo, mas considero que maior parte dos objetivos propostos no inicio da época foram cumpridos.

Alcançaste os objetivos traçados?
Sim, consegui ficar em 3º lugar no campeonato nacional de enduro na classe feminina e no trial estou em 2º lugar no troféu de consagrados.

Como foi participar no Trial das Nações? Representar o país…
Fui incrível! Adorei o ambiente, adorei as pessoas, adorei tudo! O trial lá fora está muito mais evoluído que em Portugal, mas eu e a minha colega de equipa não nos deixamos ficar para trás e lutamos como todas lutaram.

Até onde queres evoluir?
Não tenho aquele objetivo de evoluir até aquele andamento exato que aquele piloto tem, mas sim o máximo que puder.

Qual o teu sonho na tua carreira a médio, longo prazo?
Aqueles sonhos que toda a gente tem, que é representar o seu país nas seleções das modalidades. Comigo é o trial das nações (que já foi realizado) e o 6dias de enduro [prova emblemática no panorama mundial de enduro]. Mas o grande sonho a longo prazo é o Dakar.

Qual o objetivo a curto prazo, para a próxima época?
O objetivo é voltar a conseguir competir nas duas modalidades e representar Portugal tanto no trial, Trial das nações, como no Enduro, na prova de 6 dias.

Vens muitas vezes a Boticas e Atilhó?
Sim, sempre que posso, durante o ano, vou a Atilhó. Mas o mês de Agosto passo-o todo lá, é sagrado.

Como vê a tua família e região os sucessos no desporto?
Vêm com grande alegria e satisfação verem que levo o meu nome e o nome de Boticas comigo para todo o lado e para todos os sucessos conquistados.

É importante ter o apoio do município de Boticas na tua carreira?
Sim, é muito importante claro, porque é a terra onde cresci e onde tenho muito orgulho de dizer que sou de lá. É com grande satisfação que levei comigo este ano para todo o lado o Município de Boticas.

Diogo Caldas

Share.

Deixe Comentário