O passado domingo, dia 17 de junho, foi de festa no Quartel dos Bombeiros Voluntários de Salvação Pública de Chaves (BVSP) com a celebração do 82º aniversário desta corporação.

O dia começou bem cedo, às 8h30, com o hastear da bandeira. Seguiu-se a romagem aos Cemitérios Novo e Velho para prestar uma homenagem a quem já não está entre nós. O Senhor das Portas, junto ao local onde durante anos estiveram instalados, foi ainda ponto de visita obrigatório.
De seguida decorreu o habitual desfile das viaturas pela cidade com as sirenes ligadas, fazendo as delícias das pessoas por quem passavam, que sorriam e acenavam aos soldados da paz.
Já de regresso ao quartel, e após receção dos convidados, foram atribuídas as condecorações a bombeiros que fazem parte do corpo ativo. A Medalha de Assiduidade Grau Ouro 20 anos foi atribuída ao bombeiro de segunda Filipe Cruz Carneiro. A Medalha de Assiduidade Grau Ouro 15 anos foi atribuída ao bombeiro de primeira Vítor Manuel de Sousa Antunes. A Medalha de Assiduidade Grau Cobre 5 anos foi atribuída ao bombeiro de segunda Daniel Chamoinha Pedreira, ao bombeiro de terceira Pedro Miguel Teixeira Gonçalves, ao bombeiro de terceira Daniel Alexandre Ferreira dos Santos, e à bombeira de terceira Cláudia Cristina Domingues de Madureira.
Foi ainda benzida pelo Monsenhor Padre José Banha uma nova ambulância de transporte de doentes não urgentes que, de acordo com Alcino Rodrigues, presidente da direção da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Salvação Pública (AHBVSP), “reforçará a frota atual permitindo uma melhor resposta e uma maior qualidade do transporte dos doentes”.
Seguiu-se a habitual sessão solene no salão nobre aberta a todos os presentes. O dia em que se comemoraram os 82 anos de existência da AHBVSP coincidiu exatamente com o primeiro aniversário de uma das maiores tragédias de sempre do nosso país relacionada com os incêndios. Deste modo, o presidente da direção propôs um minuto de silêncio em honra das vítimas.
Alcino Rodrigues teceu rasgados elogios ao trabalho desenvolvido pelos bombeiros da sua corporação e destacou a importância que estes homens e mulheres têm no dia a dia da população: “Têm sido os homens e mulheres bombeiros, comandos, funcionários, associados, órgãos sociais consecutivos que têm dado o seu melhor para a ação prestigiante de proteção civil reconhecida por todas as entidades e população. Temos de reconhecer que sem bombeiros não era possível executar a missão de socorrer, a missão de salvar vidas e bens. Mas também é verdade que sem o apoio dos seus familiares, mães, esposas, filhos e irmãos, e dos órgãos sociais da associação, comandos e funcionários não seria possível desempenharem as funções operacionais com tanta dignidade e valentia pondo algumas vezes em risco as suas próprias vidas. Têm sabido honrar e engrandecer com altruísmo o nosso corpo de bombeiros e a associação”.

Equipa de Intervenção Permanente em funções desde dia 1 de junho

A criação de uma Equipa de Intervenção Permanente (EIP) nos Bombeiros Voluntários de Salvação Pública de Chaves foi um dos assuntos mais focados nas intervenções da sessão solene. Esta EIP resultou de um acordo assinado entre a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), o município de Chaves e os BVSP, e é constituída por cinco elementos que estarão no quartel em regime de permanência. Os custos associados a esta EIP são assumidos em partes iguais pela ANPC e pela Câmara Municipal de Chaves.
Também a outra corporação de bombeiros da cidade de Chaves, os Bombeiros Voluntários Flavienses, foram agraciados com uma EIP, ficando a faltar uma equipa de intervenção permanente à corporação dos bombeiros de Vidago. Nuno Vaz, presidente da Câmara Municipal de Chaves, assegurou que a autarquia já demonstrou a sua disponibilidade e o seu desejo para que esta equipa venha a ser criada, e acredita que “na próxima fase de constituição de EIPs, Vidago também será elegida como corporação destinatária. Eu penso que é uma questão de tempo”. A existência de três EIPs no concelho flaviense traduzir-se-á num encargo de cerca de 35 mil euros por ano, contudo, o autarca flaviense sublinhou que “entendemos que os bombeiros são o braço presente, capaz, executante da proteção civil e, nessa perspetiva, a Câmara Municipal, através da proteção civil municipal, está disponível para criar essas condições dizendo presente, dizendo sim, dizendo que estamos comprometidos”.
O comandante dos BVSP, José Silva, referiu o grande grau de exigência das populações, que tem vindo a crescer. Devido ao caráter voluntário dos bombeiros, a maioria destes tem profissões que lhes ocupam grande parte do dia, o que faz aumentar o tempo de reação e de atuação em determinadas situações de socorro. Com a criação desta EIP o tempo de resposta diminui consideravelmente. “Felizmente fomos este ano contemplados com uma Equipa de Intervenção Permanente, algo ansiado há cerca de dez anos, equipa que irá dar resposta com maior celeridade a situações de socorro. Esta equipa já está a funcionar desde o primeiro dia deste mês, encontrando-se de moral elevado e com grande empenhamento em cumprir a sua missão, contando para isso com o apoio dos companheiros do corpo de bombeiros para aprender e evoluir mais rapidamente. Obrigado Dr. Nuno Vaz, que, na qualidade de presidente da Câmara, nos permitiu que tal acontecesse”, concluiu.
Após a sessão solene, todos os presentes puderam desfrutar de um almoço convívio servido nas instalações do quartel, e no final foram cantados os parabéns com o tradicional bolo de aniversário.

Maura Teixeira

 

loading...
Share.

Deixe Comentário