Vespa das galhas do castanheiro põe em risco produção de castanha no concelho de Valpaços.

Encontrada pela primeira vez em Portugal na região do Minho, chegando à região de Trás-os-Montes em finais do ano de 2015, a vespa das galhas do castanheiro trata-se de um pequeno inseto que deposita os ovos nos gomos dos ramos dos castanheiros, levando à deformação de novos rebentos, resultando numa quebra acentuada da produção de castanha.

Para combater esta praga, foram feitas, ao longo dos últimos anos, várias largadas de parasitoides, denominados torymus sinensis um pouco por todo o país. No concelho de Valpaços, mais especificamente, a castanha tem uma grande expressão na sua economia, representando anualmente cerca de 50 milhões de euros de volume de negócio, por isso, só este ano foram realizadas 140 largadas deste parasitoide. Apesar destas largadas, o desenvolvimento do parasitoide é mais lento, o que faz com que ainda exista um número elevado de vespa das galhas do castanheiro, trazendo sérios prejuízos para os produtores.

“Existe um forte ataque este ano no concelho de Valpaços, e isto vai com certeza refletir-se na produção. Por exemplo, na zona mais fria da Padrela, onde impera a monocultura, isto vai trazer enormes prejuízos para os produtores. Nas sessões de esclarecimento que temos feito explicamos que o lançamento do parasitoide, a chamada ‘luta biológica’, é uma luta demorada, este não atua de um ano para o outro”, explicou António Medeiros, vice-presidente da Câmara Municipal de Valpaços e vereador responsável pela pasta da agricultura.

Não restando outra opção a não ser esperar, o vice-presidente referiu que irão haver “três ou quatro anos complicados, mas acreditamos que depois melhores dias virão”.

As largadas efetuadas este ano resultaram de uma colaboração entre o município de Valpaços, a AgriFuturo – Associação de Agricultores para Valorizar o Futuro, a ARATM – Associação Regional dos Agricultores de Terras de Montenegro e a Coopaços – Cooperativa Agrícola de Valpaços.

loading...
Share.

Comentarios fechados.