Entre 28 de dezembro e 4 de janeiro registaram-se menos 408 acidentes, mas mais uma vítima mortal nas estradas de Portugal continental.

De acordo com o comunicado conjunto da ANSR, PSP e GNR, registaram-se nas estradas portuguesas 1 995 acidentes, sete vítimas mortais, 24 feridos graves e 474 feridos leves, o que, comparando com igual período do ano passado, correspondeu a menos 408 acidentes, menos 15 feridos graves, menos 277 feridos leves, mas mais 1 vítima mortal.

As sete vítimas mortais, cinco homens e duas mulheres, de idades compreendidas os 22 e os 80 anos, resultaram de acidentes que ocorreram na sequência de quatro despistes, dois atropelamentos e uma colisão entre dois veículos ligeiros de passageiros, nos distritos de Braga (4), Guarda (1), Porto (1) e Viana do Castelo (1).

Mais de dois milhões de veículos fiscalizados

No mesmo período, avança o comunicado, foram fiscalizados 2 099 273 veículos, quer presencialmente pela GNR e pela PSP, quer através de controlo por radar, onde se inclui o SINCRO – Sistema Nacional de Controlo de Velocidade, da responsabilidade da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR).

Na fiscalização da velocidade foram controlados 2 046 836 veículos, 1 883 738 (92%) dos quais pelo SINCRO.

Dos veículos fiscalizados por radar de velocidade, 11 460 circulavam com excesso de velocidade, resultando numa taxa de infratores de 0,56%, 30% abaixo da registada em período homólogo do ano anterior (0,80%).

No que diz respeito a outras infrações, destaca-se a condução sob o efeito do álcool, tendo sido submetidos ao teste de pesquisa de álcool 28 905 condutores, dos quais 437 apresentaram uma taxa de álcool superior à máxima permitida, tendo 267 sido detidos. A taxa de infratores registada foi de 1,51%, 42% abaixo da registada em período homólogo do ano anterior (2,61%).

As autoridades registaram, ainda, 779 infrações relativas a irregularidades com a inspeção obrigatória, 364 por manuseamento do telemóvel durante a condução e 320 pela incorreta ou não utilização do cinto de segurança.

No início de um novo ano, a ANSR, a GNR e a PSP apelam aos condutores, passageiros e peões para que cada um dê o seu contributo no combate à sinistralidade rodoviária, adotando comportamentos seguros e respeitando a partilha da estrada.

“Só com o envolvimento de toda a sociedade será possível tornar a segurança rodoviária uma prioridade de todos e assim diminuir a sinistralidade rodoviária até ao único número aceitável de vítimas mortais: Zero”, conclui a nota conjunta da ANSR, PSP e GNR.

Partilhar

Comentários | Seja educado na sua opinião