O técnico José Mota disse que o Desportivo de Chaves, de regresso à II Liga portuguesa de futebol, quer estar no grupo de candidatos à subida, mas que o mais importante agora é “criar um grupo forte”. Transmontanos já trabalham com o plantel ainda em aberto.

“Não é neste momento que queremos dizer o objetivo da época, pois pretendemos primeiro criar um grupo forte e ambicioso, e criar uma mística que o grupo tem de ter, identificados com a génese do povo de Trás-os-Montes”, destacou o treinador antes do primeiro treino da nova temporada, que decorreu no Municipal Eng.º Manuel Branco Teixeira, em Chaves.
Após três épocas consecutivas no principal escalão, os transmontanos estão de regresso à II Liga, campeonato no qual “há sempre sete ou oito equipas que lutam por objetivos maiores na tabela”, sendo que José Mota quer estar nesse grupo.
O objetivo do conjunto de Chaves é “criar as bases para que os jogadores se identifiquem com a região” e “criar um grupo forte para derrubar as barreiras que vão aparecer ao longo do campeonato”.
Com o plantel ainda em aberto, o treinador, de 55 anos, explicou que é necessário escolher “jogadores com as características do Chaves”, mas lembrou que o clube deve ter “tranquilidade na abordagem dos dossiês, para evitar precipitações”.
Apesar de ter chegado na reta final da temporada passada ao emblema de Trás-os-Montes, não evitando a descida de divisão, José Mota mantém-se no comando e realçou que é necessário lembrar o que foi feito de mal.
“Estas situações ajudam-nos a preparar o futuro. Na nossa vida, existem situações menos agradáveis e temos de aprender com os erros”, vincou.
Fonte do clube adiantou que o guarda-redes João Paulo faz agora apenas parte da equipa satélite, enquanto a equipa técnica de José Mota foi reforçada com o treinador André São Miguel, que na época passada integrou a formação secundária.

Ricardo ficou para fazer regressar o Chaves à Liga

O Desportivo de Chaves, despromovido esta temporada à II Liga portuguesa de futebol, regressou aos trabalhos com seis ‘caras novas’, três das quais jogadores promovidos da equipa secundária, e com a ambição de voltar ao principal patamar.
Com quatro contratações até ao momento, o guarda-redes Igor, ex-Estoril e emprestado pelo Benfica, os defesas José Gomes (ex-Penafiel) e Rafael Viegas (ex-Vizela), e o extremo Wagner (ex-Paços de Ferreira) os jovens da equipa satélite também estão em destaque no arranque,
O guarda-redes Samu, o médio Hélder Almeida e o extremo João Bachi, todos recém-promovidos da equipa satélite, e que assinaram contrato profissional com os flavienses, juntam-se ao defesa Marlon, o médio Faissal e o avançado Mika Borges, também da equipa satélite e que vão integrar a pré-temporada.
De regresso à equipa estão ainda o médio David Moura, que esteve emprestado ao Farense, e o avançado João Paredes, emprestado na segunda metade da época ao Mafra, ambos clubes da II Liga.
Do plantel da época anterior mantêm-se Ricardo, Hugo Basto, Filipe Melo, Costinha, João Teixeira, Maras, Calasan, Jefferson, Niltinho, Platiny e André Luís, o último o único a não marcar presença, devidamente autorizado pelo clube.
Com três subidas à Liga no ‘currículo’, o extremo Wagner, reforço, ex-P. Ferreira, garante ter a ambição de conquistar a quarta subida.
“É um projeto aliciante, sei da história do Chaves e venho com muita vontade. A II Liga é uma divisão muito competitiva e este ano será ainda mais difícil, mas o plantel terá muita qualidade”, vincou o atacante de 32 anos, que aponta a “união dentro do balneário” como o segredo para uma época de sucesso.
Já do plantel do ano anterior, mas a manter-se na estrutura, o guarda-redes Ricardo explicou que, apesar de “algumas abordagens” de clubes do primeiro escalão, sentiu que “era um projeto aliciante ajudar o Chaves a subir outra vez”.
O guarda-redes de 36 anos assegurou também que os transmontanos terão de ter sempre o objetivo de subida em mente.

Gallo e William despediram-se de Chaves

O médio brasileiro Bruno Gallo rescindiu de forma “amigável” o contrato que tinha por mais uma temporada.
“Agradecemos ao Gallo todo o empenho e profissionalismo que sempre patenteou ao serviço do Desportivo e desejamos-lhe as maiores felicidades no seu novo projeto”, destacou o emblema transmontano.
Na época passada, o médio de 31 anos contratado ao Qatar SC, do Qatar, e que passou em Portugal por Leixões, Vitória de Setúbal e Marítimo, fez 35 partidas oficiais e apontou três golos pelo Desportivo de Chaves.
O avançado brasileiro William, que representou o Desportivo de Chaves nas últimas três temporadas, é reforço do Al-Faisaly FC para as próximas duas épocas.
Numa nota publicada na conta oficial do Twitter, o emblema saudita divulgou o acordo com o futebolista de 27 anos “por duas temporadas” após este ter “passado nos exames médicos”.
Ao serviço do Desportivo de Chaves, na I Liga portuguesa de futebol, William fez um total de 95 jogos oficiais, apontando 21 golos.

Diogo Caldas

loading...
Share.

Deixe Comentário