Ontem, dia 8 de julho, Chaves celebrou o Dia do Município, evocando um acontecimento importante da sua história quando, há 108 anos, foi palco de uma das mais importantes batalhas pela consolidação da República Portuguesa. 

O programa, que teve de ser feito em moldes diferentes do habitual devido à atual crise pandémica, contou com a cerimónia do Hastear da Bandeira Nacional, na Praça de Camões, seguindo-se uma romagem ao cemitério para prestar homenagem aos combatentes e personalidades que contribuíram para que este dia fosse um marco na história da cidade. 

O dia ficou ainda marcado pelas inaugurações das obras de requalificação do Largo Terreiro de Cavalaria (Jardim do Bacalhau) e da margem direita do Rio Tâmega, que incluiu o Parque Infantil. 

Do programa fez ainda parte a inauguração da exposição monográfica “Paula Rego – O grito da imaginação”, no Museu de Arte Contemporânea Nadir Afonso, resultado de uma cooperação entre o Município e a Fundação Serralves.

“Neste dia evocamos de forma especial a memória e tributo do passado, assumindo o coletivo municipal as enormes responsabilidades na construção de uma sociedade mais humana, coesa e solidária.” Referiu ainda que “a inauguração do Jardim do Bacalhau foi o resultado do querer e vontade coletiva dos flavienses, que poderão agora usufruir de espaços de qualidade, em interação com o rio e destinados a públicos diversificados, como é o exemplo da requalificação do Parque Infantil”, referiu Nuno Vaz, presidente da Câmara Municipal de Chaves. 

O dia culminou com um espetáculo de fogo de artifício. 

loading...
Share.

Deixe Comentário