O boletim epidemiológico diário da Unidade de Saúde Pública do ACES do Alto Tâmega e Barroso, publicado esta quinta-feira, deu conta de 9 infetados pelo novo Coronavírus na região do Alto Tâmega.

O concelho de Chaves continua a ser o que regista mais casos. Depois dos sete já confirmados, esta quinta-feira somou-se um. Valpaços continua, até à data, com apenas um caso confirmado. 

Os dados dão ainda conta de 124 casos suspeitos: quatro no concelho de Boticas, 63 no concelho de Chaves, quatro no concelho de Montalegre, nove no concelho de Ribeira de Pena, 24 no concelho de Valpaços, e 20 no concelho de Vila Pouca de Aguiar.

Existem ainda 18 indivíduos em vigilância ativa por terem contactado com casos que deram positivo no teste ao novo Coronavírus: 13 no concelho de Chaves e cinco no concelho de Valpaços.

Acompanhe diariamente o nosso site para obter informação sempre atualizada sobre a evolução do surto na região.

loading...
Share.

1 comentário

  1. Venho por este meio expor as dificuldades que Trás-os-Montes nomeadamente o alto Tâmega está a enfrentar em relação à pandemia de covid-19 que está a afetar todo o mundo. Venho expor que no Conselho de Chaves e vizinhos como Valpaços, Vila Real, Montalegre não existe qualquer tipo de triagem nem testes de despiste ao novo coronavirus. Infelizmente as pessoas que entraram em contacto com pessoas infetadas são mandadas para quarentena sem testes e as poucas que fazem o teste esperam dias e dias e ainda continuam à espera porque os testes são enviados de Chaves para o Instituto Ricardo Jorge. O que é uma vergonha! Lembro que a quando das eleições as caravanas de campanha não se esquecem desta zona do país, pena a memória ser seletiva, deixando-nos agora neste tempo de necessidade abandonados à própria sorte. Nesta zona do país por cada jovem existem três idosos, não pedimos tratamento especial ou diferenciado em relação ao resto do país, pedimos o mínimo de cuidados e de humanidade por parte das direções gerais de saúde. É triste ver esta zona a transformar-se num foco de infeção para o próprio país, pois sendo uma zona de fronteira existe a passagem constante de emigrantes que retornam ao seu país e que infelizmente não cumprem a quarentena a que se propõem junto das autoridades fronteiriças. Tornando o trabalho das autarquias e das forças de segurança muito mais difícil e arriscado. Acredito piamente que os valores que nos estão a ser dados pela DGS e Ministério da Saúde são totalmente falsos, como pode uma nação que se diz preparada para o pior, não ter os cuidados de segurança básica para os profissionais de saúde, já para não falar no resto da população. De conhecimento próprio tenho médicos amigos nos hospitais do Porto e Braga e eles próprios estão a comprar os seus kits de proteção com valores que rondam 500euros para poderem trabalhar e salvar vidas. É anti ético um país com capacidade de realizar 30mil testes diários e nem 1000 testes faz…nunca vi estudos ou diagnósticos serem feitos a olho, o que me leva a deduzir que não estamos preparados pra nada, ou então os testes não são feitos para que não entrem nas estatísticas os pacientes nem o número de mortos sendo estes tratados como meras pneumonias. Portugueses, estamos a ser enganados, os exemplos a seguir Islândia, Corria do Sul, Taiwan, Macau, todos recorreram à realização de testes e mais testes…para além claro de uma rigorosa quarentena. A Dra. Teresa da DGS condena a utilização de máscaras pois só quem tem sintomas é que deve usar, será que essa senhora com tantos anos de experiência (suponho eu) não sabe que há casos assintomáticos e outros tantos que nos primeiros dias e horas não desenvolvem sintomas mas que infetam? Ou diz isto de forma criminosa porque sabe que não há material de proteção para todos?! Assumam a realidade! Tenham coragem para tomar medidas conscientes, não queremos perder a liberdade da democracia como refere o Sr Costa, queremos que nesta altura “especial” haja discernimento para saber que obrigatoriedade quanto à quarentena não é tirar a liberdade pela qual tanto lutamos mas sim zelar pelo futuro da nossa liberdade e da nossa vida. Sejam verdadeiros e humanos! Que o presidente dos “afetos” saiba que os afetos não são tudo! Está na hora de mostrar o seu verdadeiro afeto pelos portugueses tendo em consideração, que a prioridade é a vida dos mesmos. Obrigada pela atenção e por favor entrevistem os autarcas desta região do país , nós também somos Portugal!

Deixe Comentário