Montalegre é o concelho do Alto Tâmega a registar, neste momento, uma taxa de incidência superior a 960 novos casos por 100 mil habitantes, com a mesma a fixar-se nos 1800.

Doze concelhos da região norte registaram uma taxa de incidência superior a 960 novos casos por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias, com Miranda do Douro a atingir os valores mais elevados, revelou na quarta-feira um relatório oficial.

O documento da Administração Regional de Saúde do Norte (ARS-N) reporta a evolução da situação epidemiológica entre a terceira semana (de 15 a 21) e a última semana de dezembro (de 29 de dezembro a segunda-feira, 4 de janeiro).

Nos últimos 14 dias, foram 12 os concelhos da região norte que registaram uma taxa de incidência superior a 960 novos casos por 100 mil habitantes e 40 os concelhos em que se verificou uma taxa de incidência superior a 480 novos casos, indica o relatório.

A taxa de incidência da região norte fixa-se atualmente nos 660 novos casos por 100 mil habitantes a cada 14 dias, segundo o documento.

Dos 12 concelhos com uma taxa superior a 960 novos casos, três são no distrito de Bragança: Macedo de Cavaleiros, Miranda do Douro e Mogadouro. Miranda do Douro é o município a norte que apresenta a maior taxa de incidência: 2620,8 novos casos por 100 mil habitantes.

Barcelos, Esposende, Póvoa de Lanhoso e Vila Verde, no distrito de Braga, registaram taxas de incidência de 1105, 1185, 1065 e 982,7, por 100 mil habitantes, respetivamente.

No distrito do Porto, os concelhos da Póvoa de Varzim e Vila do Conde também registaram taxas de incidência superiores a 960 novos casos, com as mesmas a fixarem-se nos 1048 e 1012, respetivamente.

Os concelhos de Ponte da Barca (no distrito de Viana do Castelo), Montalegre e Peso da Régua (ambos no distrito de Vila Real) também acompanharam estes valores, com as taxas a fixarem-se nos 1055, 1800 e 1394 novos casos por 100 mil habitantes.

Quarenta concelhos com mais de 480 novos casos/100 mil habitantes

O relatório mostra ainda que 40 concelhos da região norte apresentaram taxas de incidência superiores a 480 novos casos por 100 mil habitantes.

Destes 40, 11 são no distrito de Vila Real: Alijó, Boticas, Chaves, Mondim de Basto, Murça, Ribeira de Pena, Sabrosa, Santa Marta de Penaguião, Valpaços, Vila Pouca de Aguiar e Vila Real.

Ao distrito de Vila Real sucede-se o distrito do Porto, onde dez municípios também contabilizam taxas de incidência superiores a 480 novos casos: Amarante, Felgueiras, Gondomar, Marco de Canaveses, Matosinhos, Porto, Santo Tirso, Trofa, Valongo e Vila Nova de Gaia.

Os concelhos de Amares, Braga, Cabeceiras de Basto, Celorico de Basto, Fafe, Guimarães, Terras de Bouro, Vieira do Minho e Famalicão, no distrito de Braga, também ultrapassaram estes valores da taxa de incidência.

No distrito de Aveiro (onde a ARS-N abrange sete concelhos), Arouca, Oliveira de Azeméis, Santa Maria da Feira e São João da Madeira registaram taxas de incidência superior a 480 novos casos por 100 mil habitantes.

Os concelhos de Alfandega da Fé, Bragança e Vimioso (no distrito de Bragança) e os concelhos de Arcos de Valdevez, Caminha e Melgaço (em Viana do Castelo) também acompanharam esta tendência da incidência.

O documento da ARS-N revela ainda que os distritos de Aveiro, Braga, Bragança, Porto, Viana do Castelo e Vila Real registam um aumento do número de novos casos de infeção. Dos seis distritos, Bragança é o que apresenta o maior crescimento: 79%.

 

 

Partilhar

Comentários | Seja educado na sua opinião