O presidente da Comissão Distrital de Proteção Civil (CDPC) de Vila Real, Fernando Queiroga, manifestou o seu desagrado junto da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) pela retirada forçada do único meio aéreo de Ataque Ampliado existente no distrito, ficando a região Norte apenas com dois aviões médios de combate aos incêndios rurais.

Fernando Queiroga, que é também o responsável pela Câmara de Boticas, considera “esta situação inadmissível, tendo em conta a orografia acentuada e a vasta extensão de área florestal existente neste território, o que dificulta a rápida movimentação dos meios terrestres para os teatros de operações”, referindo ainda que “nesta fase crítica de ocorrência de fogos, o ataque inicial através dos meios aéreos é crucial para evitar males maiores”.

O presidente da CDPC de Vila Real acrescenta que “não se compreende esta tomada de posição, pelo que solicitamos a reposição urgente do meio aéreo pesado no distrito, de forma a que não fique comprometida a proteção da floresta e a salvaguarda de pessoas e bens”.

loading...
Share.

Deixe Comentário