Foi assinado, na terça-feira passada, um protocolo de colaboração entre a Comissão de Protecção de Crianças e Jovens (CPCJ) de Chaves e a Associação Chaves Social que visa promover a inclusão social dos cidadãos através de acções que contribuam para o aumento da empregabilidade, combater as situações críticas de pobreza, nomeadamente na faixa etária infantil, combater a exclusão social nos territórios vulneráveis e envelhecidos e promover a inclusão activa das pessoas com deficiência ou com incapacidade.

Protocolo-CCPCJO protocolo assinado ontem entre a CPCJ e a Associação Chaves Social, designado por Contrato Local de Desenvolvimento Social + (CLDS+), irá abranger toda a população do Concelho de Chaves que se encontrem em situações de exclusão social ou de risco. O programa tem a duração de dois anos e é financiado em 300 mil euros pela Segurança Social. O projecto CLDS+ será executado e coordenado pela a Associação Chaves Social que será a responsável pela distribuição das verbas financiadas pela Segurança Social.

Assim, as principais acções que a equipa do Conselho Local de Desenvolvimento Social pretendem desenvolver assentam em três eixos fundamentais para a promoção do desenvolvimento social e da coesão cívica. A aposta será sobretudo a nível da empregabilidade, incentivando à criação do próprio emprego e facultando todas as ferramentas informativas sobre os recursos institucionais económicos e financeiros. Para além disso, serão desenvolvidas acções ao nível das famílias através da identificação e diagnóstico das famílias e os principais factores de risco presentes, com o objectivo de poderem trabalhar e melhorar a relação familiar; criação de grupos de autoajuda de conscialização e resolução de problemáticas como o alcoolismo, a violência doméstica e a gestão doméstica e habitacional. Serão desenvolvidas actividades a nível do planeamento familiar em parceria com os serviços de saúde local e será disponibilizado a todas as crianças, jovens e famílias em situações de vulnerabilidade social um gabinete de apoio psicológico.

Neste sentido, o programa CLDS+ já sinalizou alguns dos principais bairros onde estão já a pensar actuar, como é o caso dos bairros da Várzea e dos Aregos. “No bairro da Várzea queremos incentivar para a criação de uma associação de moradores e no bairro dos Aregos queremos incentivar para a criação de uma associação juvenil e queremos ainda, nestes dois bairros fazer uma caracterização da população tendo em vista futuramente desenvolver acções de formação e conseguirmos também desenvolver acções sociais junto dos moradores nestes bairros ”, adiantou a psicológa clínica e representante dos conselhos locais de desenvolvimento social.

O programa visa ainda abranger a população mais idosa através de acções de sensibilização a toda a comunidade.

A presidente da Comissão de Protecção de Crianças e Jovens de Chaves, Márcia Teixeira, considera que “em tempos de crise as condições de muitas famílias têm vindo a piorar” e acrescentou que “a nossa preocupação vai nesse sentido, de intervirmos activamente na área social para que possamos ajudar e orientar essas famílias a estruturarem-se. Desta forma, futuramente isso irá rever-se nessas famílias e, sobretudo, nas crianças e jovens”.

O número de casos de famílias sinalizadas pela CPCJ tem vindo a aumentar de ano para ano e com o programa CLDS+ pretende-se que todas as instituições de acolhimento, os centros de saúde, o centro de emprego e todas as instituições de cariz social comecem a desenvolver um trabalho em rede na resolução dos problemas das pessoas com mais dificuldades.

 

Cátia Portela

 

loading...
Share.

Deixe Comentário