Com um total de cinco títulos e depois de vencer a edição de 2019, a seleção portuguesa de padres é o ‘alvo a abater’ no campeonato europeu de futsal mas garante estar preparada para lutar pela conquista de mais um troféu. Montalegre recebeu a apresentação.

A prova, realiza-se entre 17 e 21 de fevereiro na Republica Checa e junta um total de 19 seleções de padres. No grupo de Portugal estão, além da seleção anfitriã, a Hungria, Itália e Cazaquistão.
A derradeira preparação aconteceu em 09 de fevereiro no jogo de apresentação da seleção portuguesa de padres, que decorreu em Montalegre, no distrito de Vila Real, e que teve um encontro amigável com vitória para os párocos por 8-1 frente a uma equipa do município e bombeiros locais.
“Nas primeiras participações chegávamos ao quarto lugar e ficávamos por ali. Em 2012 ganhámos e ultimamente temos ganho. Naturalmente tornamo-nos para as outras equipas um alvo a abater as outras seleções olham para nós não com rivalidade, mas percebem que já não somos tão simpáticos”, contou o capitão de equipa, Marco Gil.
Para o pároco de 43 anos, conhecido entre os pares como o ‘Cristiano Ronaldo da seleção da igreja’, esta atividade ajuda também no passar da mensagem junto dos mais novos.
“Naturalmente há uma mensagem que é passada de que o sacerdote não é visto como alguém que é diferente, que fora da sua vocação não deixa de ser homem”, apontou.
A equipa nacional junta 16 jogadores, padres em diversas dioceses do país, como Braga, Vila Real, Viana do Castelo, Porto e Lamego. Outra das novidades é o apoio da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), com a oferta de equipamentos que levam os padres portugueses a carregarem o símbolo das quinas ao peito.
“É um motivo de orgulho. Antes de todos os jogos tocam os hinos e é sempre um momento especial para nós, mas agora ainda será mais, pois temos os equipamentos que usam outras seleções da FPF”, explicou Ivo Coelho.
O padre da diocese de Vila Real, na seleção desde 2010, destaca ainda a “experiência fantástica” que se vive ao conviver com outras seleções.
“Todos os dias há missa antes dos jogos e celebramos juntamente com as restantes igrejas e é incrível a partilha de experiências entre as comitivas”, confessa. Mas para o pároco de 36 anos, dentro de campo o objetivo, esse, é claro, e a ambição é “voltar a conquistar a taça de campeão” para Portugal.
Também da diocese de Vila Real e após o jogo de apresentação ‘em casa’ o padre barrosão Carlos Rubens destacou o dia de convívio que “permitiu conhecer pessoas novas e preparar da melhor forma o europeu”.
A orientar a equipa pelo segundo ano consecutivo, Ricardo Costa, é um ‘selecionador feliz’ com as ‘peças’ que tem à disposição para a competição. A postura competitiva e metodologia de trabalho dos padres portugueses merece os elogios do treinador que considera a equipa “mais forte” para esta competição.

Diogo Caldas

loading...
Share.

Deixe Comentário