Segundo empate em dois jogos em mais uma partida dos transmontanos onde a concretização, em pontos-chave do encontro, foi o problema.

Davide foi o primeiro a criar perigo na partida. O jogador do Boticas isolou-se depois de uma excelente combinação com Romário e esteve perto do primeiro golo do jogo, permitindo a defesa do guarda-redes Sandro. Pouco depois, voltou a trabalhar bem e a ganhar espaço junto à baliza do MODICUS, mas atirou para fora.
O Boticas foi-se superiorizando na partida, transformando esse ascendente em oportunidades, mas nunca conseguiu o toque final para a baliza de Sandro, que esteve bem, a negar o golo por diversas vezes. Paulo Tavares, treinador da equipa do MODICUS, sentindo a sua equipa “apertada” pelo Boticas pediu desconto de tempo, o que alterou por completo o rumo do jogo. A equipa de Sandim “regressou” muito mais atenta e  assumiu muito mais a partida.
Ainda assim, foi o Boticas a ter mais uma ocasião flagrante de golo. Davide soltou bem Simas, que aplica um forte remate, a bola ainda bate num adversário e Sandro defende com dificuldades para o poste, a bola sobra para Lincon, que perturbado por outro adversário apenas consegue atirar por cima a um metro da baliza. Este lance acaba por ser decisivo, pois Emerson, na resposta do MODICUS, na primeira vez que consegue fazer uma jogada individual, liberta-se bem pelo lado esquerdo e serve Nandinho, que apenas teve de encostar para o 1-0 aos 13 minutos.
Os visitantes cresceram no jogo com o golo, e o Boticas sentiu mesmo dificuldades em reagir ao golo, o que “obrigou” Emídio Rodrigues a pedir um desconto de tempo. O treinador da equipa da casa corrigiu aquilo que o Boticas estava a fazer  mal pois a partir desse momento os transmontanos voltaram a crescer no jogo, apostando no “cinco à frente” com Paulinho. Mas faltou sempre calma  ao Boticas para aproveitar a superioridade numérica criada e os remates de longe nunca ultrapassaram Sandro.
Boa reacção no segundo tempo não foi suficiente
A equipa da casa entrou “a todo o gás” nos últimos 20 minutos de jogo. Mostrando-se inconformado com o resultado, o Boticas tentou “encostar” o MODICUS à sua baliza. Simas e Tiaguinho foram tentando o golo, mas pela frente continuava Sandro, continuando decisivo no jogo.
Parecia difícil chegar ao golo, mas aos 27 minutos Davide deu um pontapé nessa dificuldade, literalmente, pois com um remate potente de pé esquerdo deixou Sandro sem reacção e fez assim o empate, com a bola a embater ainda ao de leve na barra antes de entrar.
Os minutos seguintes ao golo do empate foram do Boticas, construindo jogadas rápidas e de superioridade numérica, mas o segundo golo acabou por não surgir. Depressa a equipa de Sandim voltou a equilibrar a partida, o Boticas acabou por ficar muito cedo com cinco faltas, e por duas vezes Paulinho teve de se aplicar a fundo para segurar a igualdade. Primeiro perante Coco e pouco depois perante Pedro. De resto, os visitantes apostaram muito nos remates de meia distância, obrigando o guarda-redes do Boticas a defesas atentas.
Mais uma vez Emídio Rodrigues pediu um desconto de tempo para corrigir a sua equipa e o Boticas voltou à partida com um novo fôlego. Primeiro foi Mancuso a obrigar Sandro a mais uma boa intervenção e pouco tempo depois foi Lincon a falhar por muito pouco aquele que poderia ser o golo da vitória. Numa jogada de “cinco para quatro”, Paulinho liberta bem Davide na esquerda, que com um excelente pormenor se isola e serve no centro Simas, que não chega e a bola sobra para Lincon, que com a baliza ainda descoberta acerta nas malhas laterais.
No último minuto da partida Luís Miguel aparece isolado perante Paulinho, que corajoso e rápido na saída da baliza evita males maiores. O MODICUS criou sempre muitas dificuldades ao Boticas, principalmente através de jogadas individuais, com Coco, Nandinho e Gabriel a apostarem nos remates de meia distância para surpreender o Boticas. Por parte da equipa da casa, as oportunidades de golo foram surgindo quando atacavam com superioridade numérica, mas faltou sempre calma na hora de fazer o último passe ou mesmo de finalizar.
Opinião dos Técnicos

Paulo Tavares, treinador do MODICUS: 

“Olhando para os 40 minutos o resultado é justo porque na primeira parte o Boticas foi muito superior.  Fez a quinta falta muito cedo e nós podíamos ter gerido melhor essa situação. Tivemos situações para virar o resultado e poder levar daqui os três pontos.”

Emídio Rodrigues, Treinador do Boticas: “Repetiu-se a história do jogo com o Rio Ave. Tivemos uma primeira parte muito boa, com muitas situações de finalização, mas infelizmente não conseguimos concretizar e isso paga-se caro. O MODICUS jogou no nosso erro e acabou por ser feliz e fazer numa transição um golo. Na segunda parte voltamos a falhar ocasiões de golo e podíamos até na parte final ter sofrido mais um golo.”


Opinião dos jodadores

Tasaka, jogador do MODICUS:

“Estávamos à espera de um jogo difícil e foi isso que aconteceu. O Boticas tem uma excelente equipa, mas dadas as circunstâncias do jogo podíamos ter levado daqui os três pontos. Viemos roubar um ponto a casa de um rival directo”

Filipe Simas, jogador do Boticas:

“Foi uma boa partida, estivemos bem, mas falhamos muitos golos. Agora é preciso treinar para o jogo difícil contra o Vitória Olivais. Vamos tentar ganha lá. Estamos com azar, porque criamos sete ou oito lances de golo e não conseguimos marcar. Temos de trabalhar mais porque a bola vai entrar e  vamos começar a ganhar”

Mancuso, jogador do Boticas:

“Sabíamos que ia ser um jogo difícil, penso que merecíamos ganhar, mas infelizmente saímos com um empate. Acho que estamos a jogar bem, mas está a faltar fazer os golos. Estamos a trabalhar e os golos vão surgir naturalmente para a equipa do Boticas”

Diogo Caldas – dcaldas12@gmail.com
loading...
Share.

Comentarios fechados.