As entrevistas junto dos treinadores do Campeonato Distrital de Futsal Sénior Masculino promovidas pel’A Voz de Chaves chegam ao fim com os três primeiros classificados. A Casa do Benfica, terceira classificada, começou bem mas acabou por ficar fora da luta ao longo do campeonato. Já o Ervededo, campeão, e o Carrazedo, segundo classificado, fizeram uma época praticamente só com vitórias e acabaram por discutir até ao fim o título distrital e a subida aos nacionais.

Tó-Zé Durão, treinador do Ervededo,  1º classificado do campeonato:

Qual é a avaliação do desempenho da sua equipa no campeonato?

Aquilo a que nos propusemos foi cumprido e penso que não houve dúvidas quanto à conquista do campeonato. Não fiquei totalmente satisfeito porque deixámos fugir a taça. Fica aqui uma crítica à Associação de Futebol de Vila Real pelo facto de deixar parar a competição por 15 dias entre o campeonato e a taça. No campeonato correu tudo dentro das expectativas pois tínhamos construído um plantel de acordo com as necessidades da época no distrital.

 

O campeonato foi bem entregue? Qual a avaliação das equipas?

Sem dúvidas quanto à entrega do campeonato, houve equipas que foram uma agradável surpresa. Na luta pelo título estiveram três equipas, mas a Casa do Benfica vacilou frente aos dois primeiros. O Carrazedo lutou até ao fim. As equipas do Vilarandelo, Régua e Salto surpreenderam-me pela positiva e foi bom que o campeonato tenha tido uma lufada de ar fresco de jovens valores, jogadores e treinadores, que tudo fizeram, excepto alguns que há tantos anos no futsal ainda não ganharam nada.

 

Qual deve ser o caminho no futuro?

A modalidade está a crescer e as pessoas têm de acreditar no futsal. É bom que o campeonato evolua tenha pelo menos 16 equipas que estas equipas estejam bem estruturadas e que apostem em jovens valores. A Associação tem de contribuir com a criação de um campeonato paralelo caso as equipas continuem a ser poucas. A competição não deve acabar tão cedo.

 

Carlos Santos, director do Carrazedo de Montenegro,  2º classificado do campeonato:

Qual é a avaliação do desempenho da sua equipa no campeonato?

O balanço é bastante positivo. Nós apostámos na subida, investimos e fomos buscar jogadores que nunca pensámos ter, com muita qualidade que se juntaram a um grupo de jogadores de continuação do trabalho com 4 e 5 épocas de clube. Ficou demonstrado no final do campeonato que a equipa tinha muita qualidade.

 

O campeonato foi bem entregue? Qual a avaliação das equipas?

Não considero o campeonato bem entregue. Para nós a época foi ganha e apenas factores extra futsal impediram o nosso sucesso. Em 21 jogos tivemos 19 vitórias, um empate e uma derrota. Havia muita qualidade no campeonato. Surpreendeu-me a equipa da Régua e a Casa do Benfica, que com outra estabilidade teria discutido também até ao fim. Valpaços tem também equipas bem orientadas, como o Vilarandelo e o Bouçoaes e tem de ser dito que há muitos bons jogadores perdidos nesta divisão.

 

Qual deve ser o caminho no futuro?

O campeonato arrisca-se a ficar com poucas equipas. Para nós é pena que tenhamos tão poucas condições de trabalho, pois está prometido para o Carrazedo Futsal um novo espaço. A Associação tem de demonstrar mais qualidade a nível de arbitragens, e reduzir o preço das inscrições, pois as equipas chegam ao final da época com a corda na garganta e são multadas por tudo e por nada. O campeonato deve ser maior e ter uma paragem de inverno ou um Play-off final. É pena que o futsal da região esteja a perder equipas. Agradeço em nome do clube a todos os adeptos, jogadores e equipa técnica por este ano fantástico que a equipa teve.

 

Litos, treinador da CSLB, de Vila Pouca de Aguiar 3º classificado do campeonato:

Qual é a avaliação do desempenho da sua equipa no campeonato?

Começámos bastante bem o campeonato e penso que fomos até a melhor equipa a praticar futsal. Mas a partir do jogo com o Carrazedo em casa, onde perdemos mal, começámos a piorar. Tínhamos a perspectiva de subir, mas fomos ficando longe do objectivo e em Vila Pouca de Aguiar sente-se uma falta de competitividade, pois perante as dificuldades baixaram os braços.

 

O campeonato foi bem entregue? Qual a avaliação das equipas?

O Ervededo é um campeão justo, porque foi a equipa que menos pontos perdeu. Num campeonato tão curto como este não vacilar é o ideal. O campeonato em geral foi fraco. Não me canso de dizer que os nossos campeonatos de futsal, dos juniores aos seniores, têm tendência a piorar. Cada vez há menos equipas e apesar de existir qualidade não há condições para as equipas competirem.

 

Qual deve ser o caminho no futuro?

Há coisas que devem mudar urgentemente. A Associação tem de criar condições para os clubes trabalhares com condições melhores. As autarquias estão a cortar os apoios aos clubes, e estes não têm sócios e não devem ser duas ou três pessoas a tomar conta de um clube. Se os apoios continuarem sem aparecer, o campeonato corre o risco de ficar reduzido a seis ou sete equipas.

Diogo Caldas



loading...
Share.

Deixe Comentário