Estudantes da Escola Secundária Fernão de Magalhães e da Universidade Sénior de Chaves aprenderam, na sexta-feira, dia 2, a “Descomplicar as Finanças” lá de casa. A iniciativa aconteceu a propósito da Semana da Formação Financeira que percorreu os seis concelhos do Alto Tâmega.

Chaves foi o primeiro concelho a receber a ação de formação que pretende combater a iliteracia financeira na região. A sessão aconteceu na Biblioteca Municipal, local onde se reuniram os jovens estudantes da Escola Secundária Fernão de Magalhães e os alunos da Universidade Sénior do Rotary Clube de Chaves. Em grupo, os estudantes foram desafiados a responder a várias questões financeiras, até ser encontrado um vencedor. Pelo meio, responsáveis pelo projeto iam descodificando e explicando a matéria apresentada.

Apesar de ser uma das vencedoras, Maria João Barreira confessou que achou as perguntas complicadas.
“Talvez por causa da idade, [as perguntas]geram um bocado de confusão. Mas acho que é melhor começarmos a pensar nisto porque no futuro vamos ter de lidar com estas situações”.
Já Alexandra Morais elogiou a iniciativa que serviu sobretudo para ajudar os mais jovens a familiarizarem-se com os conceitos financeiros.

A professora Natália Gonçalves, que acompanhou as duas alunas da Escola Secundária Fernão de Magalhães, admitiu que, tal como as jovens, sentiu dúvidas em relação a algumas questões.Esta ação encontra-se inserida no Plano Nacional de Formação Financeira (PNFF) “Todos Contam”, uma iniciativa que junta o Conselho Nacional de Supervisores Financeiros – nos quais se incluem o Banco de Portugal, a Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões e a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários -, a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento da Região do Norte (CCDRN) e a Comunidade Intermunicipal do Alto Tâmega (CIMAT).

Segundo a presidente da comissão de coordenação do PNFF e representante do Banco de Portugal, a iniciativa, que percorreu as seis autarquias do Alto Tâmega visou, “sensibilizar as populações para a importância da gestão do orçamento, para o conhecimento dos produtos financeiros e as suas principais caraterísticas”, bem como os riscos na sua adesão, nomeadamente ao nível das plataformas digitais, tão comum nos dias de hoje. Lúcia Leitão disse que esta “ação era uma de muitas ações”.

“Já aqui estivemos a fazer a formação de formadores. Achamos que é muito importante que haja pessoas que conheçam as caraterísticas dos produtos, que estejam sensíveis para as atitudes e comportamentos quando se consomem produtos financeiros, para que também elas possam trabalhar com estes públicos finais”, referiu.
A responsável adiantou ainda que estava bastante satisfeita pela adesão do Alto Tâmega ao programa.

Presente na iniciativa, o presidente da Câmara de Chaves e vice-presidente da CIMAT, lembrou que diariamente celebramos uma série de contratos, de diferentes dimensões, e, por isso, é importante que “a comunidade, independentemente de ser mais ou menos jovem, tenha ferramentas que lhes permita perceber melhor aquilo que contratam” para que no futuro “possam tomar decisões mais informadas, mais conscientes e que não sejam enganados”, seja “nas letras mais pequeninas ou através daquelas aplicações na internet onde um clique significa um compromisso contratual”.

Trata-se de “um conhecimento muito específico, que geralmente não é lecionado e é um conhecimento que é extraordinariamente importante na vida dos cidadãos”, salientou a vice-presidente da CCDRN, Ester Gomes da Silva.

O Alto Tâmega foi a segunda região a ser escolhida para acolher o programa financeiro, logo a seguir à região do Tâmega e Sousa, uma vez que, de acordo com a vice-presidente da CCDRN, apresenta alguma vulnerabilidade nesta temática.

“É um território que do ponto de vista económico é mais desfavorecido do que outros. Entendemos por isso que seria importante avançar com estas duas sub-regiões [Tâmega e Sousa e Alto Tâmega]”.
Depois de Chaves, a caravana financeira seguiu com destino a Valpaços. Na Casa do Vinho os alunos do secundário receberam a ação “Contas Bancárias e Meios de Pagamento”. Na abertura da sessão, em representação do município, estiveram presentes os vereadores Jorge Mata Pires e Teresa Pavão.
Seguiu-se a apresentação do PNFF a instituições e cidadãos em Vila Pouca de Aguiar e depois foi a vez de Ribeira de Pena e Boticas.No município de Boticas “Poupar Mais para Saber Gastar” foi o tema apresentado aos alunos e professores do 3º ciclo do Agrupamento de Escolas Gomes Monteiro. O encontro contou com a presença do vice-presidente da autarquia, Guilherme Pires, e de responsáveis das entidades envolvidas no PNFF.

Em Ribeira de Pena os participantes dos Centros de Convívio receberam a sessão sobre “Contas Bancárias e Serviços Mínimos Bancários”.
Por fim, foi a vez do município de Montalegre acolher o projeto de partilha de conhecimentos financeiros onde “Todos Contam”.

Cátia Portela

loading...
Share.

Deixe Comentário