Luísa Sobral, Villagers, Capicua e Samuel Úria são alguns dos músicos que vão estar a atuar no Festival N2 da cidade de Chaves.

“Desafio todos os portugueses e flavienses a iniciarem no princípio de agosto um programa fantástico de três dias de música em Chaves e depois que aproveitem o resto do país”, pela Nacional 2. O convite foi feito pelo vice-presidente da autarquia flaviense, Francisco Melo, na apresentação do Festival N2, junto ao Km0 da Estrada Nacional 2, um dos maiores percursos na Europa e que une Chaves a Faro ao longo de 738 quilómetros.

De carro, de mota, de bicicleta e até mesmo a pé ou de triciclo, para o vice-presidente da autarquia o importante é partir na aventura ao ritmo do Festival N2. A expectativa é que o evento vá ganhando raízes ao longo dos anos.

O Festival N2 acontece entre os dias 1, 2 e 3 de agosto, e conta com nomes conhecidos do panorama musical nacional e internacional, como é caso de Luísa Sobral, no dia 1, Villagers e Samuel Uria, dia 2, e Capicua no terceiro e último dia de festival.

Chegar às dez mil pessoas é o objetivo da organização para esta segunda edição do evento. No ano passado passaram pelo Jardim Público sete mil pessoas.

“Sentimos que a aposta teria de ser em nomes que fossem mais fáceis para a população em geral. Ainda assim, apontamos para nomes que achamos que acrescentavam valor e que fossem interessantes para as pessoas, independentemente de serem conhecidos ou não”, disse Diogo Martins, presidente da Indieror, na quarta-feira passada, dia 3.

No palco secundário irão atuar bandas menos conhecidas, mas que “poderiam estar perfeitamente no palco principal e não envergonhar ninguém, como é o caso de Samuel Uria que tem tocado nos palcos principais dos maiores festivais do país”, destacou o mesmo responsável.

Concertos itinerantes levam a música à cidade

A principal novidade deste ano são os concertos itinerantes em palcos espalhados ao longo da cidade, uma iniciativa que pretende “criar dinâmicas com a comunidade, fazendo com que a economia local se dinamize um bocadinho”. Nestes palcos vão estar a atuar as bandas com ligação a Chaves, destacando-se aqui os Malaboos, Zach Noir e Maro.

Para além da música, o festival vai promover, pelo segundo ano consecutivo, a reutilização dos copos de plástico durante todo o evento.

“Estamos a tentar dar esse passo que vai ser obrigatório no futuro, apesar dos custos elevados e que nos restringe um bocadinho. Este ano não há copos descartáveis, são copos reutilizáveis. Toda a gente que está no festival tem de usar esse copo para beber água, para beber vinho, ou o que quer que seja. Vamos ter postos de lavagem. Este é um copo que é oferecido na compra do bilhete”, explicou Diogo Martins.

Os bilhetes para os três dias de concertos podem ser adquiridos no Museu de Arte Contemporânea Nadir Afonso (MACNA), no Centro Cultural, no espaço Indieror na ponte Romana e via Ticketline. O custo do bilhete diário é de 4€, o bilhete geral (para os três dias) é de 10€.

Antes do festival, e durante o mês de julho, a organização vai lançar outras iniciativas, como exposições e um ciclo de cinema, relacionadas com a N2. Vão ser ainda criados ímanes e autocolantes especiais para àqueles que realizarem a mítica N2 durante o fim de semana do festival.

Na quarta-feira a apresentação do festival à comunicação social e ao público em geral ficou ainda marcada pela atuação do Homem em Catarse, que trouxe até Chaves “Viagem interior”, álbum que fala sobre a passagem do músico pelas zonas do interior do país.

O Festival N2 conta com a organização da Indieror e município de Chaves, em parceria com várias entidades locais. Mais informações sobre o evento em:
www.festivaln2.pt.

Programação

1 de agosto: Maro, Luís Severo, Luísa Sobral, David Keenan
2 de agosto: Zach Noir, Benjamim, Villagers, Samuel Uria
3 de agosto: Malaboos, D’Alva, Capicua, Cais de Sodré Funk Connection

Cátia Portela

loading...
Share.

Deixe Comentário