O Teatro Experimental Flaviense comemorou no sábado passado, dia 21, o 37º aniversário. A data foi assinalada com um espetáculo de variedades e com a exibição de um vídeo que contou a história do teatro ao longo destas quase quatro décadas de existência na cidade.

O Teatro Experimental Flaviense (TEF) foi fundado no início da década de 80 por iniciativa de um grupo de jovens que, apesar de possuírem poucos conhecimentos na área das artes cénicas, valorizavam muito a cultura e o universo teatral. Assim, pouco a pouco, e com o esforço de todos, o TEF foi crescendo até se tornar na referência que é hoje em dia na cidade.

Embora tenha “aparecido como cooperativa de teatro sem fins lucrativos, o que é certo é que o TEF foi assumindo outros projetos porque verificamos que a cidade carecia de outras atividades, como é o caso, por exemplo, do cinema comercial”, referiu o presidente do espaço cultural.

Atualmente, o TEF conta, na sua programação, com várias peças de teatro, diversas sessões de cinema, desempenha um papel fundamental em atividades de cariz solidário, é presença assídua na animação sociocultural da cidade e é ainda uma porta aberta para a formação de jovens, nomeadamente de alunos oriundos do Instituto Politécnico de Bragança (IPB), da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), da Escola Profissional de Chaves e de outras entidades particulares.

O Cine Teatro Bento Martins, sede do TEF, é frequentado todos os anos por milhares de flavienses o que comprova a qualidade dos espetáculos oferecidos pelo espaço cultural.
Mas o TEF não se limita apenas a Chaves. Segundo Rufino Martins a agenda de 2017 tem já vários espetáculos marcados em outras zonas do país, como é o caso de Alfândega da Fé, Mirandela e Boticas.
“Eu sinto-me muito orgulhoso por fazer parte deste grupo. Se nós conseguirmos proporcionar às pessoas aquilo de que elas gostam e se elas aparecem é porque estamos a conseguir cumprir o nosso dever”, frisou o responsável pelo TEF.

Em dia de aniversário, Rufino Martins aproveitou ainda para agradecer a todos os colaboradores do TEF que desempenham o seu trabalho de forma voluntária e que têm ajudado a desenvolver e a promover a cultura em Chaves.

Presente no aniversário, o autarca flaviense elogiou o percurso do TEF ao longo destes 37 anos e sublinhou a importância que o espaço cultural tem para a cidade.
“O TEF é uma referência no panorama cultural da cidade de Chaves. O grupo, para além das peças de teatro, tem tido o cuidado de trazer para Chaves os filmes mais recentes o que permite aos flavienses estarem também atualizados na área do cinema”, frisou António Cabeleira.

O TEF é ainda uma porta aberta para outras instituições na medida em que “disponibiliza muitas vezes o seu palco” para que outros possam demonstrar o seu trabalho e é “ainda um parceiro da Câmara de Chaves no apoio logístico” e cénico.

Na opinião do dirigente, a cidade de Chaves está a viver “um bom período cultural”. Isto significa que, neste momento, existe uma enorme variedade de espetáculos que são produzidos pelos próprios flavienses através dos mais variados grupos culturais, como é o caso do TEF, da Academia de Artes de Chaves e das mais diversas bandas e ranchos folclóricos do concelho.
Em dia de comemoração, não faltou o habitual bolo de aniversário que foi cortado na presença de vários amigos, colaboradores e atores.

Cátia Portela

Share.

Deixe Comentário