O secretário de Estado da Saúde, Manuel Delgado, visitou no sábado passado, dia 14, o serviço de urgência do Hospital de Chaves e ficou “muito satisfeito” com aquilo que encontrou. Manuel Delgado aproveitou a visita para divulgar alguns dos incentivos do Governo para a fixação de profissionais de saúde nos hospitais do interior do país.

Na sua passagem pela Unidade Hospitalar de Chaves o secretário de Estado da Saúde encontrou um serviço de urgência com boas instalações, asseado, organizado e com “tempos de espera entre 20 a 30 minutos” para primeira observação médica, uma situação que classificou como “excelente” e que o deixou “tranquilo”.
O secretário de Estado da Saúde está a percorrer as unidades hospitalares do país no sentido de perceber se os serviços de urgência estão a funcionar dentro da normalidade e se se encontram ajustados às necessidades da população, particularmente nesta época em que se regista uma atividade gripal de maior intensidade.

Manuel Delgado admite que já houve “momentos de crise” nos hospitais portugueses, sobretudo depois do Natal e nos dias a seguir à passagem de ano com “procuras aos serviços de urgência excessivas e difíceis de controlar”. Apesar de terem sido sentidas algumas dificuldades, nomeadamente no tempo de espera em alguns serviços, o governante garante que têm sido evitadas “situações de rutura”.

“Os serviços têm respondido bem, os conselhos de administração têm mostrado um grande empenhamento, estando sempre disponíveis para que os profissionais de saúde tenham as melhores condições para trabalhar e estamos, por isso, a passar por este período sem grandes problemas de resposta. Evidentemente que há tempos de espera excessivos aqui ou ali pontualmente, e temos consciência de que isso prejudica as pessoas, mas estamos a fazer tudo para que isso diminua substancialmente”, frisou.

Manuel Delgado adiantou ainda que “houve uma evolução positiva” nos últimos anos relativamente ao serviço de urgência do Hospital de Chaves onde foram detetados vários casos de sobrelotação de doentes.
A mesma opinião é partilhada pelo presidente da Câmara de Chaves: “O nosso serviço de urgência, hoje e nos últimos tempos, tem estado a funcionar bem”. A falta de recursos humanos é a principal preocupação de António Cabeleira, tema que fez questão de lembrar durante a visita do secretário de Estado da Saúde assim como “a diferenciação do Hospital de Chaves na especialidade de ortopedia”.

Por seu lado, o presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro (CHTMAD) garantiu que “essa especialização depende muito da equipa clínica e da vontade do diretor do serviço”, tendo por isso o apoio do conselho de administração caso venha a avançar.

Relativamente à falta de recursos humanos, o secretário de Estado da Saúde falou sobre o modelo de incentivos criado pelo Governo para a fixação de médicos no interior do país. De acordo com Manuel Delgado, o modelo de incentivos criado no dia 15 de setembro, é “diferente daqueles que até agora havia” na medida em que “associa uma componente remuneratória mais expressiva a uma progressão mais rápida na carreira e a possibilidade de estes médicos poderem continuar a ter formação profissional ao longo de cada ano”.

“Vamos dar mais tempo de formação a esses médicos que estão no interior para poderem deslocar-se para hospitais que estão mais desenvolvidos tecnologicamente, ou até mesmo ao estrangeiro, para aperfeiçoar a sua formação, atualizar os seus conhecimentos, contactar com colegas que estão em áreas mais evoluídas para poder trazer esse conhecimento e essa tecnologia para os próprios hospitais do interior”, explicou.

Haverá ainda outra medida que tem a ver com os incentivos aos familiares dos médicos, ou seja, o Governo irá subsidiar a estadia dessas pessoas durante três anos, apoiará a deslocação dos cônjuges no que diz respeito ao emprego e ajudará também a nível académico os filhos dos médicos que se fixarem no interior.

A visita do secretário de Estado da Saúde ao serviço de urgência do Hospital de Chaves foi acompanhada pelo Conselho de Administração do CHTMAD, pelo presidente da Câmara de Chaves, António Cabeleira, e pelo líder local do Partido Socialista, Nuno Vaz.

1,8 de milhões para remodelação do bloco operatório do Hospital de Chaves

Durante a visita o secretário de Estado da Saúde adiantou ainda que será feito um investimento no valor de 1,8 milhões de euros na remodelação do bloco operatório do serviço de urgência da unidade hospitalar de Chaves, sendo que a obra arrancará ainda este ano.

Esta remodelação irá permitir melhorar a funcionalidade e a capacidade do espaço bem como responder às exigências atuais com a utilização das tecnologias mais recentes.
Para este projeto o CHTMAD efetuou uma candidatura ao “Programa Operacional Regional do Norte – Norte 2020”.

Hospital de Chaves recebeu 17 médicos internos

O Hospital de Chaves recebeu, no início deste mês, 17 internos do ano comum. A receção destes médicos internos foi realizada no auditório da Unidade Hospitalar de Vila Real, que recebeu outros 52 internos do ano comum e 22 internos de formação específica, e contou com a presença do Conselho de Administração e da Direção do Internato.

Os jovens médicos estão a receber diariamente formação, nomeadamente na área da abordagem de doentes com patologia aguda, tendo sido realizado também um curso de suporte básico de vida obrigatório a todos eles.

Estas formações têm como objetivo uma rápida integração destes jovens médicos, promovendo a partilha e conhecimentos.

Cátia Portela

Share.

Deixe Comentário