Teve início no passado dia 25 de janeiro e decorreu até ao dia 28, domingo, a XXVII edição da Feira do Fumeiro de Montalegre. Foram quatro dias nos quais o porco foi rei e senhor da festa. A sessão de abertura contou com a presença do ministro do Ambiente. 

A tradição cumpriu-se e no primeiro dia da Rainha do Fumeiro a neve visitou esta região do Barroso. A sessão solene de abertura de mais uma edição de um dos certames mais conhecidos da região Norte do país teve início às 17h de quinta-feira, dia 25.
O primeiro a usar da palavra foi Orlando Alves, presidente da Câmara Municipal de Montalegre, que, dirigindo-se a João Pedro Matos Fernandes, ministro do Ambiente, deu conta das suas preocupações relativamente à despovoação do interior do país: “O deficit demográfico – dados recentes apontam para o saldo populacional negativo do país – é a espada que paira sobre as nossas cabeças: governantes, autarcas, dirigentes associativos, associações empresariais. A todos o alarmismo destas notícias impõe a argúcia de percebermos que este é o problema maior que temos entre mãos”. O autarca deixou ainda duras críticas às políticas exercidas pelo poder central: “O mundo rural reclama medidas urgentes de discriminação positiva e está farto de políticas onde impera a inveja, o medo, o preconceito, a falta de coragem e até de tino. (…) Não bastava termos contra nós a União Europeia com as suas terríveis diretivas onde o direito à derroga não é exercido pelos nossos representantes, quanto mais assistirmos às políticas internas em que a diversidade cultural, económica, ambiental e paisagística de que o país é feito não é tida em conta. Realidades distintas não podem ser tratadas de forma igual e se calhar não vai ser a anunciada descentralização de medidas avulsas que nos irá tirar do sufoco em que estamos”.
“Por cá se resiste, luta e acredita. Acreditamos que, e com mágoa o digo, o mundo rural voltará a povoar-se quando as alterações climáticas agravarem o desconforto cada vez mais sentido do viver da cidade. Digamos que somos uma reserva para o futuro. (…) Enquanto depender de nós, as portas não vão fechar-se e esta terra abençoada pelos deuses não irá sentir-se maltratada pelos que a habitam e aos seus destinos presidem”, sublinhou Orlando Alves.
O detentor da pasta do Ambiente, por sua vez, teceu rasgados elogios à região de Montalegre, às suas gentes e também aos seus produtos, destacando a pertinência de eventos como a Feira do Fumeiro como forma de preservar as tradições e impulsionar o desenvolvimento: “É importante fazer certames como este para promover territórios que de facto não estão aos olhos de toda a gente. Portugal é um país com uma enorme diversidade onde os territórios valem por si e onde a sua riqueza é fundamental também na criação de mais riqueza e na criação de emprego de base local. Eu vim convidado e com muito gosto, mas a maior parte das pessoas certamente que virá sem ter de ser convidada e essa é uma forma de ficarem a conhecer Montalegre, de ficarem a conhecer os seus produto e de naturalmente ajudarem a promover com justiça o desenvolvimento desta terra magnífica”.
Durante a sessão de abertura foi exibido o vídeo promocional da Feira, no qual foi feita uma nova versão da música espanhola Despacito com a letra adaptada ao evento.
Autarcas dos restantes concelhos da região do Alto Tâmega e outras entidades civis, militares e religiosas fizeram também questão de marcar presença na abertura da Feira.
Após a sessão solene, decorrereu a habitual ronda pelos vários stands da Feira para cumprimentar todos os produtores presentes, e também para abrir o apetite ao ministro do Ambiente para o jantar volante que foi posteriormente servido, no qual não puderam faltar a alheira e outros alimentos derivados do porco. Os visitantes da Feira foram também convidados a degustar o banquete.
Na sexta-feira, dia 26, a RTP marcou presença no certame durante a manhã com vários diretos a partir do pavilhão multiusos nos quais divulgou para todo o mundo o que de melhor se faz em Montalegre, contando com alguns convidados, de entre eles David Teixeira, vice-presidente do município montalegrense.
No sábado Célia Ramos, Secretária de Estado do Ordenamento do Território e da Conservação, visitou o certame e elogiou a qualidade dos produtos em exposição.
No sábado e no domingo houve dois showcooking com o chef Marco Gomes e o chef Vítor de Oliveira, respetivamente. No primeiro foram apresentadas várias propostas gourmet de produtos derivados do porco, e no segundo foi realizada uma apresentação de corte de presunto.
No domingo houve ainda as habituais e já famosas chegas de bois, realizadas na “Ponte da Pedra”, que todos os anos atraem centenas de pessoas.
No fim de semana foi ainda possível encontrar dezenas de autocarros provenientes de outras zonas do país que se deslocaram propositadamente a Montalegre para visitar a Feira do Fumeiro.

A animação foi uma constante ao longo dos quatro dias da Feira

O gimnodesportivo do pavilhão multiusos foi, pelo segundo ano consecutivo, transformado em espaço de restauração e convívio no qual os visitantes puderam degustar o que de melhor se faz em Montalegre e ainda dançar ao som da animação musical que houve durante os quatro dias da Feira, com a atuação de grupos como Sol Nascente, Sons do Rio, Os Lordes, entre outros. Este ano na noite de sexta-feira houve espaço para uma noite latina, e no sábado os visitantes puderam dançar ao ritmo do kizomba.
A edição do próximo ano da Feira do Fumeiro de Montalegre está já a ser pensada e trabalhada para que volte a ser um sucesso.

Maura Teixeira

loading...
Share.

Deixe Comentário