Já foi oficializada a renovação do contrato entre município de Montalegre e a Federação do Automobilismo Internacional para a região do Barroso continuar a receber a prova mundial.

O município de Montalegre, em conjunto com o Clube Automóvel de Vila Real (CAVR), conquistou o direito a organizar, por mais cinco anos, a prova portuguesa a contar para o Campeonato do Mundo de Rallycross. Este ano melhoramentos custaram 150 mil euros, mas no futuro irão chegar aos quatro milhões

A Federação Internacional de Automobilismo (FIA) já comunicou a decisão de manter, por mais cinco anos, a etapa portuguesa do Mundial Rallycross em Montalegre. As negociações chegam assim a um final feliz reforçando “esta parceria” e mantendo “esta dinâmica”, enfatizou o presidente da Câmara Municipal, Orlando Alves. O autarca garante que o município está a preparar «um pacote de investimentos na pista a rondar os três a quatro milhões de euros».

Para satisfazer as exigências da FIA, e até antecipando-se a estas, o Município de Montalegre fez já obras para a prova mundial que visita o norte do país entre 21 e 23 de abril.
No circuito decorrem obras para a construção de uma nova bancada no lado sul da pista. Além dessas obras, a estrada principal de acesso à pista foi desviada para que se pudesse expandir o paddock de Supercars, ocupando agora o espaço que anteriormente era da estrada de acesso e ainda mais algum espaço adicional decorrente da demolição da colina. Estão ainda em curso mais alguns melhoramentos em estruturas da pista e da torre de controlo.

Este ano deixou de existir acesso livre a comida e bebidas na bancada VIP, passando essa bancada a ser designada “Bancada Central”, passando os preços dos bilhetes para essa bancada a ser também mais reduzidos. Para quem desejar ter acesso a refeições e bebidas na pista, foi criado um passe especial chamado “Passe de Catering” ou “Hospitality” que pode ser associado a qualquer bilhete para qualquer bancada. Esse passe é individual para cada dia de corridas e dá acesso à tenda de catering com um serviço de refeições muito melhor e mais completo que a antiga oferta no bar da bancada central. Todos os packs de bilhetes de dois dias têm 15% de desconto em compra online até dia 16 de Abril, acessível em montalegre.bol.pt.

Melhoramentos que vão custar até 4 milhões

“É o investimento mais imediato, de 150 mil euros, mas apresentamos à FIA uma maquete dos investimentos que o município está a preparar fazer na pista e que nos próximos cinco anos ultrapassarão os 3 ou 4 milhões de euros, para além daquilo que já foi feito”, destacou.

Orlando Alves lembra que de ano para ano é preciso inovar, considerando que isso tem sido feito e garantindo que irá continuar a promover essas alterações. O edil realça ainda características especiais da pista de Montalegre: “a circunstancia de ser uma pista a mil metros de altitude exige mais dos carros e dos pilotos e tudo isso aporta mais valor um mundial que está a ganhar um posicionamento muito forte no ranking das competições da FIA e prova disso é o cartaz de pilotos para este ano”.

Retorno de milhões para a região

Segundo o presidente da Câmara Municipal de Montalegre, o retorno da prova mundial estará acima dos “três ou quatro milhões de euros”.
“Estes investimentos trazem retorno significativo para a terra e põem-nos a competir com cidades com notoriedade e nós com a nossa pequenez não queremos ser lideres mundiais mas queremos estar nesta lista que nos honra e dignifica muito”, atirou Orlando Alves.

Faltam melhores acessibilidades

O tema das acessibilidades é sempre abordado por Orlando Alves e o presidente do município barrosão destaca que a FIA também está atenta ao melhoramento da estrada entre Montalegre e Chaves.
“Temos que ter em conta que o Rallycross é uma prova de âmbito mundial e tem impacto significativo para Montalegre, o país e região. Chaves tem de se afirmar como capital da nossa região e para isso tem de haver naturalmente boas acessibilidades”, entendeu.

Segundo Orlando Alves “a FIA está a olhar para as estradas de Chaves e olha também para os hotéis de Chaves”. “ Eu e o presidente da Câmara Municipal de Chaves vamo-nos sentar para traçar um rumo e definir em conjunto uma solução”, garantiu.

Diogo Caldas

Share.

Deixe Comentário