O auditório municipal de Ribeira de Pena acolhe nos dias 8 e 9 de setembro o “II Congresso Internacional Camilo: O homem, o génio e o tempo”.

A aldeia de Friúme, situada no concelho de Ribeira de Pena, foi um dos cenários da vida de Camilo Castelo Branco; aqui se enamorou e casou com Joaquina de França, de quem teve a primeira filha, Rosa. Desta estadia fugaz por Friúme, o escritor levou a essência da terra e das gentes que se verifica ao longo de toda a sua obra.
Em 2016, pelos 175 anos do casamento de Camilo e Joaquina, realizado na Igreja Matriz do Divino Salvador, a Câmara de Ribeira de Pena, em coorganização com a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, apresentou o I Congresso Internacional “Camilo: o homem, o génio e o tempo” , que vem dar seguimento ao trabalho já realizado pelos anteriores seminários de “Camilo e Ribeira de Pena” e abrir novas perspetivas de estudos camilianos.
É intenção do município ribeirapenense perpetuar a memória cultural e patrimonial em torno do tão aclamado escritor português, Camilo Castelo Branco.

PROGRAMA

Locais: Auditório Municipal e Pena Park Hotel

SEXTA-FEIRA, DIA 8 | Auditório Municipal de Ribeira de Pena

09h30 – Abertura do secretariado e receção aos participantes.

10h00 – Sessão de abertura

Doutor Rui Vaz Alves, Presidente da Câmara de Ribeira de Pena

Prof. Doutor António Fontainhas Fernandes, Reitor da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (a confirmar)

Dr. António Ponte, Diretor Regional da Cultura do Norte

Prof. Doutor Fernando Moreira, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro

Dra. Paula Leal, Diretora do Agrupamento de Escolas de Ribeira de Pena

10h30 – Receção aos professores do Agrupamento de Escolas de Ribeira de Pena

10h45 – Apresentação do livro: Camilo: o homem, o génio e o tempo

11H00 – Verde de Honra

11h30 – Conferência de abertura:

Camilo e a sua obra, implicações patrimoniais e operativas do seu uso e apropriação: o caso dos últimos romances| Elias J. Torres Feijó (Universidade de Santiago de Compostela)

12h30 – Almoço

14h30 – Painel 1 (Moderadora: Orquídea Ribeiro)

– A receção de Alexandre Herculano no Dicionário Universal de Educação e Ensino | João Bartolomeu Rodrigues (UTAD) | jbarto@utad.pt

– A relação ambivalente de Camilo Castelo Branco com a Literatura Francesa | Dalila Milheiro (UAB-CEMRI) | dalilamilheiro@sapo.pt

– Camilo Castelo Branco e Arnaldo Gama: percursos, relações pessoais e ligações literárias | Aires Gomes Fernandes (UCoimbra)| airesgf@gmail.com

– Camilo, o «naturalista» | Sérgio Paulo Guimarães de Sousa (UMINHO) |spgsousa@ilch.uminho.pt

15h30 – Debate

15h45 – Pausa para café

16h00 – Painel 2 (Moderador: José Cândido de Oliveira Martins)

– O espaço como trapaça narrativa: Camilo e Machado num encontro – Mónica Figueiredo (UFRJ/CNPq – Brasil) | mnfigueiredo@hotmail.com

– Na cozinha de Camilo: três casos de exogénese | Ana Sonsino (FLUL Lisboa) l alsonsino@gmail.com

-Camilo e o mistério de Mr. Hume |José Augusto Maia Marques (ISMAI) l jmaiamarques@gmail.com

– O léxico em Anátema Vulcões de Lama de Camilo Castelo Branco | José Barbosa Machado (UTAD) l jleonmachado@gmail.com

16h45 – Pausa Café

17h00 – Painel 3 (Moderador: Fernando Moreira)

– Camilo Castelo Branco, cronista da Ásia portuguesa? | José Carvalho Vanzelli (USP – Brasil)| jose.vanzelli@usp.br

– João de Araújo Correia, no rasto de camilo, entre 1978 a 1985 | Manuel Joaquim Martim de Freitas| martinsdefreitas1662p@gmail.com

– O teatro em Camilo: um fresco da sociedade da época – Maria José Cunha (UTAD) | mjscunha@utad.pt

– “Homens que são como lugares mal situados”: O caso de Alberto Moreira e Camilo – Henrique Pereira (UCP)| hpereira@porto.ucp.pt

18h00 – Debate

18h15 – Encerramento dos trabalhos

 

SÁBADO, DIA 9| PENA PARK HOTEL

09h00 – Abertura do secretariado

09h30 – Painel 4 (Moderador: Emanuel Guimarães)

– Uma natureza deleitosa ou rude? Leituras ecocríticas da ficção camiliana | Maria do Carmo Mendes (UMINHO) | mcpinheiro@ilch.uminho.pt

-Camilo Castelo Branco crítico musical | Pedro Couto Soares| coutosoares.pedro@gmail.com

– Camilo Castelo Branco e a espécie de auto-consciência cronotópica e genológica na sua obra | Maria do Carmo Castelo Branco Vilaça de Sequeira | mcseq@ufp.edu.pt

– Uma irreversível demolição íntima: o olhar de Manoel de Oliveira sobre Camilo Castelo Branco | Mariana Veiga Copertino F. da Silva | mariveigacopertino@yahoo.com.br

10h30 – Debate

10h45 – Pausa para café

11h00 – Painel 5 (Moderador: Sérgio Guimarães de Sousa)

– Maria! Não Me Mates, Que Sou Tua Mãe!: Camilo “de faca e alguidar” | Carlos Nogueira e Fernando Moreira l carlosnogueira@uvigo.es

– Coração, Cabeça e Estômago de Camilo Castelo Branco: uma Retórica do Gosto| Eunice Neves | eunice.morggan@gmail.com

– O cego de Landim, de Camilo Castelo Branco: transgressões e marginalidades | Rodrigo Valverde Denubila (UNESP/Brasil) |rodrigo.denubila@gmail.com

– Camilo e a memória intertextual nas “Novelas do Minho” – José Cândido de Oliveira Martins (UCP) | martins.candido@gmail.com

12h00 – Debate

12h15– Encerramento dos trabalhos

13h00 – VII Almoço Camiliano | Local: Restaurante Penaventura (sob inscrição obrigatória)

PROGRAMA CULTURAL

(A partir das 15h00)

Pena Park Hotel | Bar

Comemorações dos 500 anos do Foral manuelino | Apresentação do livro A Terra de Pena e o seu Foral |Autoria: Prof. Doutora Maria Cristina Cunha

Exposição “Camilo” sob o olhar de Augusta Andrade

Casa de Camilo | Friúme

Inauguração da exposição “Camilo numa nova perspetiva” de Paulo Sá Machado na Casa de Camilo | Friúme

Roteiro Camiliano à beira Tâmega: Ilha dos Amores, Poldras de Santo Aleixo, Ponte de Arame (locais futuramente submersos pela albufeira)

17h30 – Fim das atividades

Share.

Deixe Comentário