No passado dia 11, segunda-feira, deu-se início a mais um ano letivo na Escola Profissional de Chaves (EPC). Os novos alunos, acompanhados por pais e encarregados de educação, foram recebidos pelos membros da direção da Escola e pelos professores que vão acompanhá-los ao longo dos próximos três anos.

A sessão de boas-vindas foi aberta por Jorge Paulo Santos, diretor executivo da Escola Profissional de Chaves. Na sua intervenção, o também presidente da ACISAT – Associação Empresarial do Alto Tâmega sublinhou que “é sempre uma alegria receber pais e encarregados de educação na nossa escola”, e destacou ainda a importância do papel dos pais e dos encarregados de educação no sucesso escolar dos alunos.
Cozinha – Pastelaria, Restaurante – Bar, Programação em Sistemas Informáticos e Vendas Marketing são os quatro cursos que abriram este ano. Uma vez que não houve alunos suficientes para encher cada uma das turmas, os alunos de um curso terão de ter aulas em conjunto com outro. Desta forma, o curso de Cozinha – Pastelaria será ministrado em conjunto com o de Restaurante – Bar, e o de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos será lecionado com o de Vendas Marketing. O facto de haver menos alunos que no ano passado é algo que, segundo Jorge Paulo Santos, não deve ser visto como um problema de longo prazo: “Esta situação é, efetivamente, uma surpresa. Até porquanto no ano passado conseguimos abrir quatro turmas e 28 alunos em cada uma. Mas efetivamente a oferta na escola regular pública, em Chaves e em todos os outros concelhos, a redução do número de alunos disponíveis para o profissional, efetivamente, vai reduzindo de onde em onde a execução em termos de número de turmas que delegamos, é um processo cíclico. Esta situação esperamos que seja resolvida ainda este ano. Se não o for, certamente que no futuro retomaremos o nosso normal caminho de progressão”.
A Escola Profissional de Chaves tem um índice de empregabilidade alto, tendo vindo a ganhar um destaque cada vez maior no panorama nacional, e até internacional. António Cabeleira, presidente da Câmara Municipal de Chaves e da Direção da Escola Profissional de Chaves, também esteve presente na sessão de boas vindas aos alunos do primeiro ano e referiu isso mesmo: “Temos alunos que depois do estágio profissional ou ficam a trabalhar logo nos restaurantes onde fazem o estágio, ou aí tomam conhecimento com outros chefes e são convidados para ir trabalhar com eles. No ano passado tivemos um aluno que foi convidado para ir para os Estados Unidos da América. Isto significa que a formação é sólida. Os hotéis, até ao Algarve, vêm saber de alunos formados na Escola Profissional de Chaves. Significa realmente que a formação tem reconhecimento nacional e que aos poucos vai começando a ter reconhecimento internacional”.


Mas este sucesso não se consegue da noite para o dia. Aos novos alunos “espera-os um grau de exigência comum a qualquer secundário, a qualquer escola secundária normal. Mas, efetivamente, aqui vocacionada para a formação profissional, para o ensino profissional. E, obviamente, também expetativa da nossa parte em receber meninos interessados em estudar e em aprender para que depois o processo educativo decorra em grande qualidade”, destacou Jorge Paulo Santos.
António Cabeleira aproveitou ainda para deixar uma palavra de incentivo àqueles que durante os próximos três anos serão alunos da Escola Profissional de Chaves: “Depende de vós, sobretudo, alunos, o sucesso. Do vosso empenho, do vosso esforço, da vossa dedicação é que vai resultar a maior parte do sucesso. Acreditai que ter boas notas e ter uma boa formação não é sorte. Sorte é quando nos sai o euromilhões. Aqui, é trabalho, muito trabalho, é muita dedicação. E façam isso. Vale a pena.”
No final, os alunos de cada curso, depois de terem sido apresentados aos respetivos diretores de curso e de turma, fizeram uma visita pelas instalações daquela que durante os próximos três anos será a sua segunda casa.

Maura Teixeira

Share.

1 comentário

Deixe Comentário