Entre os dias 29 de outubro e 1 de novembro decorreu em Chaves mais uma edição da Feira dos Santos, considerada a maior feira de rua do nosso país.

Jorge Paulo Santos, presidente da ACISAT

A Feira dos Santos de Chaves já se tornou ponto de visita obrigatória para milhares de pessoas, estimando-se que este ano durante os quatro dias tenham visitado a emblemática Feira cerca de 200 mil pessoas. Contrariamente ao ano passado, no qual muitas pessoas fizeram ponte no dia 31 uma vez que o feriado foi terça-feira, levando a que pudessem passar os quatro dias da Feira em Chaves, esta edição da Feira dos Santos teve entre o seu primeiro dia, domingo, e o feriado, quarta-feira, dois dias úteis que foram de trabalho para a maioria das pessoas. “Obviamente que houve dias menos bons do que outros. Designadamente a segunda-feira, que foi dia de trabalho, logo, de menor permanência na Feira. Mas o domingo foi fortemente compensador, o dia da Feira do Gado também pois é um dia de permanência absoluta, e quarta-feira foi uma coisa extraordinária. Portanto, sem riscos considero termos atingido o valor estimado de 200 mil pessoas, que é sempre uma ambição”, sublinhou Jorge Paulo Santos, presidente da ACISAT – Associação Empresarial do Alto Tâmega.
Várias artérias da cidade foram, muito recentemente, alvo de requalificação, algumas delas com obras ainda em curso, que ficaram suspensas durante os dias da Feira. Não querendo correr o risco de causar quaisquer danos nas infraestruturas, a ACISAT entrou em diálogo com os feirantes para que fossem tomadas alternativas ao tradicional modo de instalação das tendas. Isto resultou em algumas desistências por parte dos participantes na Feira, contudo, estas foram substituídas por inscrições que a Associação tinha pendentes. Deste modo, e comparativamente à edição do ano passado, a Feira dos Santos teve 570 expositores, apenas menos dez que em 2016, não deixando de ser “uma Feira consolidada num número espetacular de participações”.
Para Jorge Paulo Santos, o comportamento dos feirantes que participaram foi exemplar: “Resumo tudo com o cumprimento das boas regras que impusemos e acordámos, porque tudo foi feito em diálogo e acordo com os senhores feirantes. Quando vemos a nossa vontade cumprida e quando vemos que os acordos das partes se cumprem, ficamos, naturalmente felizes, e cabe aqui um reconhecimento a essa atitude de grande responsabilidade no cumprimento dessas regras”.
O presidente da Associação Empresarial do Alto Tâmega fez também um agradecimento às pessoas que viram os acessos às suas casas e aos seus estabelecimentos condicionados: “Reconhecemos que não é só benefícios. Há também constrangimentos no funcionamento de empresas e comércios ao longo das ruas onde se instala a Feira. É a compreensão dos flavienses, dos moradores, dos empresários, dos comerciantes que faz desta uma grande Feira” assim como “a valorização que todos lhe damos. Fica aqui uma palavra de agradecimento a toda a colaboração”.
Os agradecimentos alargaram-se ainda à Câmara Municipal de Chaves, entidade co-organizadora do evento, a todas as empresas prestadoras de bens e serviços, como, por exemplo, o serviço de limpeza, bem como a todos os colaboradores da Associação, colegas de direção e do núcleo organizativo da Feira que deram tudo de si na realização deste certame.
O dirigente fez ainda questão de dar conta da presença do Secretário de Estado Adjunto e do Comércio, Paulo Alexandre Ferreira, na cerimónia oficial de abertura, que decorreu no domingo, dia 29, na Biblioteca Municipal de Chaves, demonstrando assim a valorização deste certame por parte do poder central.

“+Turismo +Sabor” representou os seis concelhos do Alto Tâmega na Feira

A grande novidade desta edição da Feira dos Santos foi a “Mostra +Turismo +Sabor” instalada no Largo General Silveira. O “+ Turismo +Sabor” é um projeto desenvolvido ao longo do presente ano pela ACISAT e pela ADRAT – Associação de Desenvolvimento da Região do Alto Tâmega com o intuito de criar uma rede colaborativa entre várias empresas dos seis concelhos do Alto Tâmega – Boticas, Chaves, Montalegre, Ribeira de Pena, Valpaços e Vila Pouca de Aguiar – cuja finalidade é unir e promover setores do turismo e do agroalimentar, desenvolver uma marca comum e internacionalizar as empresas locais. Foram 20 os stands presentes na Feira, dos quais 17 eram expositores individuais e três institucionais.
“Nem todas as participações visam o negócio direto. Alguns visam a notoriedade, o dar-se a conhecer, o oferecer os serviços. E, portanto, têm um retorno indireto que todos esperamos que seja positivo. Que a Feira dos Santos é uma belíssima montra para o fazer, isso foi unanimemente reconhecido”, referiu Jorge Paulo Santos, dando conta da grande satisfação destes empresários por terem tido a oportunidade de participar na Feira e se darem a conhecer aos milhares de visitantes que por lá passaram.

Feira dos Santos 2017 coroada de sucesso

Em suma, apesar de ainda haver situações que merecem ser corrigidas, tal como reconhece o presidente da ACISAT, cujo processo será feito “caminhando, evidentemente, edição atrás de edição sempre a corrigir e a melhorar atendendo também a sugestões que nos chegam”, a Feira dos Santos foi, mais uma vez, coroada de sucesso. Jorge Paulo Santos elogiou ainda o trabalho da GNR, da PSP, das corporações de Bombeiros, da segurança privada e do RI 19 no trabalho de policiamento e na manutenção da segurança dos presentes, bem como o comportamento de feirantes e visitantes da Feira, não tendo havido registo de quaisquer incidentes. “O balanço volta a ser extremamente positivo. O bom tempo também ajudou. E, portanto, ‘tudo está bem quando termina bem’, como diz o ditado, e foi o caso”, concluiu.

Maura Teixeira

Share.

Deixe Comentário